EUROPEAN UNION, Commission, post 62, June 5th, 2020, the irresistible time come to normalize the economy?

Porto Alegre, June 5th, 2020

Official time of the alley on Rua General João Manoel, 06h10, 15.4 degrees C, 98% humidity, rain

The prospect for the normalization of the economy is still in full doubt in my perception, but I surrender to the concern of European governments that it is possible to risk.    Or rather, that it is necessary to take a risk.   Risk what?   Risk how?

I confess that I don’t have access to the models that epidemiologists work with.    So, it is difficult to imagine what the specifications of these mathematical models are like.    However, the question remains.    Risk what?   Risk how?    Risking lives?

I look at the statistics, I look at the curves and confirm that the United States is way ahead.    Even so, Brazil looks like a formula 1.      It has a lot to do.    Among Europeans I believe they have reached the plateau.    And I recognize that it is a great achievement.

India and Bangladesh seem to me that they still have a lot of track to cover.    And Mexico seems to be leaving the box and going to the track.     So there is still a lot to happen in the coming weeks and until the epidemic ends.

Looking at country curves, I think the UK, Italy, Spain and France are on the plateau.   The United States and Russia do not have the plateau in sight, but have stopped having steep advances in their curves.  

Although in the case of New York, the number of deaths reached a minimum level yesterday, the situation of the spread of the virus is diverse within the United States.    I read that there are 13 states in the same condition as New York.    There are even states that already show a reduction in the curve, but at the same time, there are 19 other states – among them Florida and Texas – that still show growth in the coronavirus.  

Now Brazil, India and Bangladesh are showing frightening coronavirus increments.    Mexico also seems to me to be in that last group, but the proximity to the territory of the USA may mean some partnership, some joint solution.     Trump was a partner and benefited López Obrador when cutting oil production by assuming quota reductions that would fit PEMEX.    

So, even though they reached the plateau, I think that European countries cannot claim that they have reached the end of the race.    It is impossible to imagine that if Formula 1 reached the plateau he will receive the flag.    I believe that the four countries – the United Kingdom, Italy, Spain and France – have their peak assured, but what comes next is not a mathematical problem for lay people in health.

Mathematicians could study the conditions of order of curves by countries.   These conditions allow the analyst to have a light on the concavity and convexity of the curves. 

Statisticians could work with variables called dummy, artificial, which can only take the value zero or one, that is, which can show an effect that changes the result.    In this case, I tought in the classroom, the cases of war and peace, dry and full,  and we could have, now, the case of with pandemic and without pandemic.

What seems critical to me in all my reasoning is the lack, still, of a clear understanding of the epidemic itself.    What is the nature of the coronavirus?   

Is there a chance of transmutation?     I remember my time working at FEE, a Brazilian institution of economics and statistics, when I wrote about bird flu, influenza, the H5N1 influenza virus.    At that time, what was most talked about was the risk of transmutation.      This time, I don’t remember reading anyone talking about it. 

I follow on radio and television about the “carriage ride” of the virus.     At this time, at 6:57 in the morning, CNN in the United States is discussing the coronavirus.    The other channels I have on SKY, BBC, Spanish, TV5 from France, Deutche Welle, RAI and NHK, are all dealing with the virus.     By the way, Japan’s NHK has English programming whenever the title is News Watch.    Later, at 9:00 am, the program News Watch 9 will air.

European countries have created a tremendous bureaucracy to change the phase – Spain today moves from 2 to 3 – and the theme is recurrent in the regional media.     King Felipe VI is in a position of respect, in front of the television cameras, with a whole group of authorities present to pay homage to the victims of the coronavirus. 

Last night I tuned the radio to three stations in Andorra, la Vieja .     I listened to Rádio Flaix And 93.8 FM, Rádio Andorra 1 96 FM and Rádio Montaillou Pyrénées 97.7 FM.    There was musical programming, but the health crisis was constantly being addressed.

In addition to the concern with transmutation, there is a lot of movement on the streets of American cities because of the assassination of George Floyd.     Yesterday afternoon was the tenth consecutive day of protests.   This can spread, even more. the virus.

I think the funerals in Houston on the June 8th will end the ongoing process, but Donald Trump has polarized and instability is likely to remain. 

Trump spoke, and speaks, of Law and Order to his voters with attention focused on the November 3 elections. The protests rescued historic flags from the social movements of the 1960s and must not give in to Trump’s threats to use the army to end the demonstrations. 

So far everything has gone relatively peacefully in the demonstrations, but I do not neglect the possibility of a return to police violence.    The moment is very tense.    It would be another multiplier for the expansion of the virus.

Well, in closing, I started the text by focusing on the European case but migrated to the United States in search of an explanation of the nature of the coronavirus.    What worries me is the time to go back to school.    I see and agree with all the advances in studies and work at home, via computer.

But there are still two problems.     Contagion on return to school can lead to a second outbreak of the virus.   The quality of education, in the short term, will not be the same when compared to face-to-face education.     The same is true for work, the home work. 

Finally, I follow the return of people to the streets in Europe on television.    I see the happiness of children running around the plazas, however I also see the concern of adults with what comes next.

Good morning, blog reader.    Here, the night was very rainy.    In the morning there was a very cold wind.    The day is gray.    But everything will get better, as Dr Pangloss would say.    I love the old lady of Taubaté from the brilliant Veríssimo.

PHOTO BELOW: 

At the last Porto Alegre Book Fair I met my great friend Armindo Trevisan. He was my professor for a year at the School of Economics at the Federal University of Santa Maria, in 1964.

He was an incredible teacher. At the time, the UFSM Economics course was not yet federal, it belonged to the entity supporting the Marist Brothers. So there were two disciplines of a religious nature, Dogmatic Theology and Christian Social Doctrine, and Trevisan was responsible for the first. 

He knew a lot.   Too much of everything.    After the 60s I left Santa Maria and came to meet Armindo Trevisan in Porto Alegre, in the nineties, already as a poet and writer.     

At that point, I can only register that I had the honor of being his student within UFSM, the work of the magnanimous rector Mariano da Rocha. 

UNIÃO EUROPEIA, Comissão, post 62, 05.06.2020, é chegada a hora irresistível de normalizar a economia?

Porto Alegre, 5 de junho 2020

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 06h10, 15,4 graus C, 98% de umidade, chove

A perspectiva para a normalização da economia ainda é de dúvida total na minha percepção, mas eu me rendo a preocupação dos governantes europeus que é possível arriscar.   Ou melhor, que é preciso arriscar.  Arriscar o quê?  Arriscar como?

Eu confesso que não tenho acesso aos modelos que os epidemiologistas trabalham.  Então, fica difícil imaginar como são as especificações desses modelos matemáticos.  Porém, a pergunta permanece.  Arriscar o quê?   Arriscar como?  Arriscar vidas?

Eu vejo as estatísticas, eu observo as curvas e confirmo que os Estados Unidos estão muito à frente.  Mesmo assim o Brasil parece um fórmula 1.    Tem muito a rodar.   Entre os europeus eu creio que eles chegaram ao platô.   E eu reconheço que é um grande feito.

A Índia e Bangladesh me parecem que ainda dispõe de muita pista para percorrer.   E o México parece estar deixando o box e indo para a pista.  Então há muito ainda por acontecer nas próximas semanas e até o fim da epidemia.

Examinando as curvas por países, eu penso que o Reino Unido, a Itália, a Espanha e a França estão no platô.  Os Estados Unidos e a Rússia não tem o platô a vista, mas deixaram de ter avanços íngremes em suas curvas.  

Embora no caso de Nova York, o número de óbitos alcançou um patamar mínimo no dia de ontem, a situação do avanço do vírus é diversificado dentro dos Estados Unidos.   Eu li que há 13 estados na mesmas condições de Nova York.  Até há estados que já mostram redução na curva, mas, ao mesmo tempo, há outros 19 estados – dentre eles a Flórida e o Texas – que ainda evidenciam crescimento no coronavírus.  

Agora, o Brasil, a Índia e Bangladesh estão mostrando incrementos de coronavírus de forma assustadora.  O México também me parece que está nesse último grupo, mas a proximidade com o território dos EUA pode significar alguma parceria, alguma solução conjunta.  Trump foi parceiro e beneficiou López Obrador quando do corte na produção de petróleo assumindo reduções de quotas que caberiam à PEMEX.    

Então, mesmo tendo chegado ao platô, eu acho que os países europeus não podem afirmar que chegaram ao fim da corrida.   É impossível, imaginar que se o fórmula 1 chegou ao platô ele receberá a bandeirada.   Eu acredito que os quatro países – Reino Unido, Itália, Espanha e França – tem o pico assegurado, porém o que vem depois não é um problema matemático para leigos em saúde.

Os matemáticos poderiam estudar as condições de segunda ordem das curvas por países.  Essas condições permitem que o analista tenha uma luz sobre concavidade e convexidade das curvas. 

Os estatísticos poderiam trabalhar com variáveis denominadas dummy,  artificiais, que podem levar apenas o valor zero ou um, ou seja, que podem mostrar um efeito que mude o resultado.  Nesse caso, eu lecionava em sala de aula, os casos de guerra e paz, seca e cheia, e os analistas poderiam ter, agora, o caso de com pandemia e sem pandemia.

O que me parece crítico em todo o meu raciocínio é a falta, ainda, de uma compreensão clara da epidemia em si. Qual é a natureza do coronavírus?   

Há chance de transmutação?  Eu lembro da minha época de trabalhar na FEE, uma instituição brasileira de economia e estatística, em que eu escrevi sobre gripe aviária, o vírus influenza H5N1.  Naquela época o que mais se falava era no risco de uma transmutação.  Dessa vez, não lembro de ter lido alguém falar a respeito. 

Eu acompanho via rádio e televisão sobre o “andar da carruagem” do vírus.  Nesse momento, 06h57, a CNN dos Estados Unidos está discutindo o coronavírus.  Os demais canais que eu disponho na sky, BBC, Espanhola, TV5 da França, Deutche Welle, RAI e NHK, estão todos tratando do vírus.  A propósito, a NHK do Japão tem programação em inglês sempre que o título for News Watch.  Mais tarde, às 09h00, vai ao ar o programa News Watch 9.

Os países europeus criaram uma tremenda burocracia para mudar de fase – a Espanha passa hoje da 2 para a fase 3 – e o tema é recorrente na mídia regional.  Agora, eu estou acompanhando o Rei Felipe VI em posição de respeito, frente às câmeras da televisão, com toda uma comitiva de autoridades presentes a uma homenagem às vítimas do coronavírus. 

Na noite passada eu sintonizei o rádio em três estações de Andorra, la Vieja.  Eu ouvi a Rádio Flaix And 93.8 FM, a Rádio Andorra 1 96 FM e a Rádio Montaillou Pyrénées 97.7 FM.    Havia programação musical, mas a todo o momento se voltava ao tema da crise sanitária.

Além da preocupação com a transmutação, há muita movimentação nas ruas das cidades norte-americanas por causa do assassinato de George Floyd.  Ontem, à tardinha, era o décimo dia consecutivo de protestos.  Isso pode propagar, ainda mais. o vírus.

Eu penso que os funerais, em Houston, no próximo dia 8, encerrariam o processo em curso, mas Donald Trump polarizou e a instabilidade deverá permanecer. 

Trump falou, e fala, em Lei e Ordem para os seus eleitores com a atenção voltada para as eleições de 3 de novembro.  Os protestos resgataram bandeiras históricas dos movimento sociais dos anos 60 e não devem ceder às ameaças de Trump utilizar o Exército para dar um fim nas manifestações. 

Até agora tudo tem transcorrido de forma relativamente pacífica nos protestos, mas eu não deixo de lado a possibilidade de um retorno à violência policial.   O momento é muito tenso.  Seria mais um multiplicador para a expansão do vírus.

Bem, para encerrar, eu comecei o texto focando no caso Europeu mas migrei para os Estados Unidos na busca de uma explicação da natureza do coronavírus.   O que me preocupa é a hora da volta às escolas.   Eu vejo e concordo com todos os avanços dos estudos e dos trabalhos em casa, via computador. 

Mas, ainda aí, há dois problemas.  O contágio na volta à escola pode levar a um segundo brote do vírus.   E, também, a qualidade da educação, no curto prazo, não será a mesma quando comparada à educação presencial.  O mesmo é válido para o trabalho, o home work. 

Por último, eu acompanho a volta das pessoas às ruas na Europa pela televisão.  Eu vejo a felicidade das crianças correndo pelas praças, todavia eu também percebo a preocupação dos adultos com o que vem depois.  E vou mais adiante.  Eu percebo medo junto aos adultos em suas manifestações frente às câmeras de televisão.  Há uma ideia clara que o filme pode ainda não ter acabado. 

Bom dia, leitor do blog.  Aqui, a noite foi de muita chuva.  De manhã havia um vento muito frio.  O dia está cinza.  Mas tudo vai melhorar, como diria o Dr Pangloss.     A propósito, eu adoro a Velhinha de Taubaté do genial Veríssimo.

FOTO ABAIXO: 

Na última Feira do Livro de Porto Alegre eu encontrei o meu grande amigo Armindo Trevisan.   Ele foi meu professor durante um ano na Faculdade de Economia da Universidade Federal de Santa Maria, em 1964.

Era um professor incrível.  Naquela época o curso de Economia da UFSM ainda não era federal, pertencia à entidade mantenedora dos Irmãos Maristas.   Então havia duas disciplinas de cunho religioso, Teologia Dogmática e Doutrina Social Cristã, e Trevisan era o responsável pela primeira. 

Ele sabia muito.  Muito de tudo.   Depois dos anos 60 eu deixei Santa Maria e vim reencontrar Armindo Trevisan em Porto Alegre, nos anos noventa, já na condição de poeta e escritor. 

À essa altura só me cabe registrar que tive a honra de ser seu aluno dentro da UFSM, a obra do magnânimo reitor Mariano da Rocha. 

THE WHITE HOUSE, the latest from the US, post 44, 04.06.2020, of the demonstrations, the stock exchange & South Korea

Porto Alegre, June 4, 2020

Opening hours of the alley on Rua General João Manoel, 12:11 pm, 16.4 degrees C, 87% humidity, sun at will

I start Thursday surfing the behavior of the S&P 500 index in the last twelve months.    Where are we after so much instability?   

On June 4, 2019 the index value was 2,803.27 points.    He advanced to 3,386.15 points on 19.02.2020.   That was the previous trajectory.    Then came the coronavirus crisis.    The index retreated to 2,23740 on March 23, 2020. Yesterday, he ended Wednesday at 3,122.87 points on 03.06.2020.   It does not have the shape of a letter N, but it is close to the shape of the same letter.   Slightly inclined.

That’s what matters, blog reader, and we are talked.   The rest is futurology.    We are at sea and there is no land in sight.   The instruments failed and the sky is closed.    At one time or another and I will see Crux, and I get the minotaur.    I am not Theseus, nor have I found Ariadne.     I am armed because I always carry a roll of string with me.    My problem is if it appears as a steak.     I have been a vegetarian for 45 years. 

I always liked math.     In the United States, in addition to training in Economics, I took a dozen subjects in quantitative methods.     From the Statistics department to the Engineering department, I felt the coexistence with the peaks of doubt.     My anxiety was often to clarify whether my mental S&P 500 was taking off or entering traffic for landing. 

Econometrics was my target.    In the course of the shooting I met extraordinary teachers, consulted unimaginable libraries, lived with very intelligent colleagues and used equipment recently made available.    It was a wonderful life.    I believe that I will never find an equal environment.   

My mental S&P 500 went up when I received an invitation to work at the Space Research Institute (Brazil).     I was still in the USA, I was very honored, I kept the correspondence with great affection, but, I confess, there is no vaccine to stop being a teacher.     And I embarked on my career until the end. 

Today, in the face of the behavior of the New York Stock Exchange, I follow others who have econometrics as their target.    And I try to be attentive to what they say.     The problem is that in the middle there is information that yesterday the United States registered over 20 thousand cases of coronavirus.    Then the analysis loses focus and the target becomes unattainable.

And when the coronavirus comes into focus, it drops everything.     From my analysis of the New York stock exchange to my reflection as a professor of econometrics.    And the matter comes back to Trump and his race for the November 3 election.    The picture started to converge on Joe Biden when George Floyd was asphyxiated and the movement against police violence broke out

The confrontation between what I see all evening on American city streets and President Donald Trump’s Law and Order speech did not stop the S&P 500 from moving forward at 0.82 & on Wednesday.    The movement against racism has been unprecedented since Martin Luther King, this in 1968.    In parallel with the advance of the index since the floor of 2.23740, on 23.03.2020, it seems that the peak of 3.386.15 points of 19.02.2020 appears.

And from there, beyond?    More movement and more pricing?    Would this be the path to normalization?   I think it’s a little early for any speculation.    I have written little about what I think of the phase that will succeed the one that used the innovation wildcard.    

Korea led the innovation race for five straight years.   The litany was repeated wherever I went.    The United States was in the eleventh position,   China was in the 19th position and Brazil, beyond the 80th.    And so, Johns Hopkins counts today 6,538,486 of infected and on the verge of 400 thousand deaths.

Digital resilience has allowed Korea to count 11,629 infected and 273 deaths as of this Thursday.    It is the idea that innovation, in its digital version, faces the disease.     Really, the smart city responded to the coronavirus. What is regrettable, however, is that a digitized country has not yet reached the vaccine.  

Korea stopped at PIPA law.   The  Personal Information Protection Act will be the number one item on the agenda to come.    What modeling will be adopted?    What information will be used?    How many, around the world, will continue to spread the virtues and ignore attitudes?    What an error of course that was in the speech!

In the meantime, reader friend, the movement on the streets continues, prices on the stock exchange continue, the race for the White House continues, but the world will never be the same.    South Korea say so! 

Good morning, blog reader!

PHOTO BELOW:

Reader friend, the photo below is not from Sant’Ana, Brazil, my hometown in the 1920s.     Much less Cacequi, Brazil, with its splendid Railroad Station where I had the best soup in the world in the 1950s.    The city in the photo is Fairbanks .   It was summer. 

That’s right.    The city of photography is Fairbanks, the second city in Alaska, in a photo I took from the plane when it was going to the final stretch of the airport, in 1974.     It had 14,711 inhabitants in 1970.    The largest city is called Anchorage which had 48,041 inhabitants at the same time. 

I listen to Radio KFAR 660 AM from there every night.     It is a way to keep me updated with what happens in the other hemisphere.      The electronic address is    https://www.radios.com.br/aovivo/kfar-660-am/1149

On SKY, channel 70, channel Discovery, there are three programs on Alaska that show all kinds of adversity.    One deals with the pilot’s vision of the plane, another deals with living on the roads and a third concerns a family who lives in the countryside.

The Great Alaskan Family (channel 70) will air starting at 1:15 pm today and repeats on June 7, at 2:00 pm.     Dr. Dee, a veterinarian, (Channel 71) will air on 06.06, Saturday, at 07.00.      The Alaska Construction program will be presented on Sunday, June 7, at 10:45 am.      The Remote Constructions program will take place on June 7th, starting at 12:30 pm.

But there is more, much more, but it takes some patience to start this virtual journey through the largest state in the USA. 

You see, reader, that today Alaska has only 731 thousand inhabitants.     São José dos Campos, the city where the Space Research Institute is located and which I could have been living with if I had accepted the invitation, in 1974, has a population of 713 thousand inhabitants.  

Try tuning in to the KFAR 660 AM radio now.     Spoken english is understandable for a Brazilian and the American economy is always in focus.    Check out!

CASA BRANCA, as últimas dos EUA, post 44, 04.06.2020, das manifestações, da bolsa & da Coreia

Porto Alegre, 4 de junho 2020

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 12h10, 16,4 graus C, 87% de umidade, sol à vontade

Inicio a quinta-feira surfando no comportamento do índice S&P 500 nos últimos doze meses. Onde estamos depois de tanta instabilidade?   

Em 04.06.2019 o valor do índice era de 2.803,27 pontos.  Ele avançou até 3.386,15 pontos em 19.02.2020.   Essa era a trajetória anterior.  Aí, surgiu a crise do coronavírus.  O índice recuou até 2.23740 em 23.03.2020.  Ontem, ele encerrou a quarta-feira em 3.122,87 pontos em 03.06.2020.    Não tem o formato de uma letra N, mas está próximo do formato da mesma. Um pouco inclinada. 

É isso aí o que interessa, leitor do blog, e estamos conversados.  O resto é futurologia.  Estamos em alto mar e não há terra à vista.  Deu pane nos instrumentos e o céu está fechado.  Uma hora ou outra e vou enxergar a Crux, e eu pego o minotauro.    Não sou Teseu, nem encontrei Ariadne.  Estou armado porque sempre carrego comigo um rolo de barbante.   O meu problema é se ele aparecer em forma de bife.  Sou vegetariano há 45 anos. 

Sempre gostei de matemática.   Nos Estados Unidos à par da formação em Economia eu fiz uma dezena de disciplinas em métodos quantitativos.  Do departamento de Estatística ao de Engenharia eu senti a convivência com os píncaros da dúvida.  Muitas vezes, a minha ansiedade era esclarecer se o meu S&P 500 mental estava decolando ou entrando no tráfego para o pouso. 

A econometria foi o meu alvo.  No percurso do tiro conheci professores extraordinários, consultei bibliotecas inimagináveis, convivi com colegas inteligentíssimos e utilizei equipamentos recém disponibilizados.   Foi uma vida maravilhosa.  Eu creio que jamais encontrarei ambiente igual.   

O meu S&P 500 mental subiu quando eu recebi um convite para trabalhar no Instituto de Pesquisas Espaciais.   Eu ainda estava nos EUA, fiquei muito honrado, guardei a correspondência com muito carinho, mas, confesso, não há vacina para deixar de ser professor.  E embarquei na carreira até o fim. 

Hoje, frente ao comportamento da bolsa de Nova York eu acompanho outros que tem a econometria como alvo.  E procuro estar atento ao que dizem.   O problema é que no meio, do meio, surge a informação que ontem os Estados Unidos registraram mais 20 mil casos do coronavírus.    E aí a análise perde o foco e o alvo se torna inatingível.

E quando surge o coronavírus no foco ele derruba tudo.  Da minha análise da bolsa de Nova York à minha reflexão como professor de econometria.    E o assunto volta para Trump e a sua corrida para o pleito de 3 de novembro.   O quadro começava a convergir para Joe Biden quando houve a asfixia de George Floyd e a eclosão do movimento contra a violência policial

O confronto entre o que eu vejo todo o fim de tarde nas ruas das cidades norte-americanas e o discurso de Lei e Ordem do Presidente Donald Trump, não impediu que o S&P 500 avançasse em 0,82& na quarta-feira.   O movimento contra o racismo não encontra precedentes desde Martin Luther King, isso em 1968.  Paralelamente o avanço do índice desde o piso de 2.23740, em 23.03.2020, parece que precifica o pico de 3.386,15 pontos de 19.02.2020.

E, de lá, além?   Mais movimentação e mais precificação?  Essa seria a via da normalização?  Eu acho um pouco cedo para qualquer especulação.  Eu tenho escrito pouco sobre o que eu acho da fase em que sucederá aquela que utilizava o coringa da inovação.    

A Coreia do Sul (2018) liderava por cinco anos seguidos a corrida da inovação.  A ladainha era repetida onde quer que eu fosse.  Os Estados Unidos estavam na décima primeira posição, a China estava na décima nona posição e o Brasil, além da octogésima.   E assim, a Johns Hopkins contabiliza hoje 6.538.486 de infectados e à beira de 400 mil óbitos.

A resiliência digital permitiu que a Coreia contabilizasse 11. 629 infectados e 273 óbitos até essa quinta-feira.  É a ideia que a inovação, em sua versão digital, faz frente à doença.  Realmente a cidade inteligente respondeu ao coronavírus.   O que se lamenta porém é que um país digitalizado ainda não tenha chegado à vacina.  

A Coreia parou na lei do PIPA.   A Personal Information Protection Act será o item número um na pauta que há de vir.  Que modelagem será adotada?  Que informações serão utilizadas?  Quantos, mundo afora, vão prosseguir divulgando as virtudes e ignorando atitudes?  Que erro de percurso que ficou no discurso!

Nesse ínterim, amigo leitor, prossegue a movimentação nas ruas, prossegue a precificação nas bolsas, prossegue a corrida à Casa Branca, mas o mundo jamais será o mesmo.  A Coreia do Sul que o diga! 

Bom dia, leitor do blog!

FOTO ABAIXO:

Amigo leitor, a foto abaixo não é de Sant’Ana, a minha cidade natal nos anos 20.   Muito menos Cacequi, com sua esplendorosa Estação da Viação Férrea onde eu tomava a melhor sopa do mundo nos anos 50.   A cidade da foto é Fairbanks.  Era verão.

Isso mesmo a cidade da foto é Fairbanks, a segunda cidade do Alasca, em foto que eu bati de dentro do avião quando ele ia para a reta final do aeroporto em 1974.    Ela tinha 14.711 habitantes em 1970.  A maior cidade se chama Anchorage que tinha 48.041 habitantes na mesma época. 

Eu escuto a Rádio KFAR 660 AM de lá todas as noites.  É uma forma de me manter atualizado com o que acontece no outro hemisfério.  O endereço eletrônico é    https://www.radios.com.br/aovivo/kfar-660-am/1149

Na SKY, canal 70, Discovery há três programas sobre o Alasca que mostram todo o tipo de adversidade.  Um trata da visão do piloto do avião, outro trata da convivência com as estradas e um terceiro diz respeito a uma família que mora, isolada no interior do Estado.

A Grande Família do Alasca (canal 70) vai ao ar a partir de 13h15 de hoje e repete no dia 07.06, às 14h00.   A Dra. Dee, veterinária, (Canal 71) vai ao ar no dia 06.06, sábado, às 07h00.  O programa Construções no Alasca será apresentado no domingo, dia 07.06, às 10h45.   O programa Construções Remotas acontecerá no dia 07.06, a partir de 12h30.  Mas há mais, muito mais, mas exige alguma paciência para iniciar essa viagem virtual pelo maior Estado dos EUA. 

Veja, leitor, que hoje o Alasca tem só 731 mil habitantes.  São José dos Campos, a cidade onde fica o Instituto de Pesquisas Espaciais e que eu poderia estar morando se tivesse aceitado o convite, em 1974, contabiliza uma população de 713 mil habitantes.  

Experimente, agora, sintonizar a rádio KFAR 660 AM.   O inglês é bem pausado, compreensível, e a economia americana está sempre em foco.  Confira!

BRASILIA, distant from everyone, post 47, 03.06.2020, the impasse hits the streets

Porto Alegre, June 3, 2020

Official time of the alley on Rua General João Manoel, 06h10, 11.4 degrees C, 88% humidity, sun at will

The Brazilian recovery in the economic dimension seems to have stalled for good.   New problems in the political dimension are emerging every day.    Luckily, Alexandre de Morais took over the STE with the presence of Jair Bolsonaro in the video. The reconciliation gesture was the way out of yesterday’s stalemate. 

como criar uma loja virtual

So could the impasse between both of them last week be left behind?    And everything back to good?  I think it’s hard. The president’s instability has been recurrent.   What today is a problem, the day after tomorrow it will be again. 

In the meantime he manages to make some contact more flexible, to say that he did not say what he said. However, afterwards, everything comes back as before. And so, the country reached a great impasse between man, son and the Supreme.

Now, if Brazil already lived without planning until January, the situation worsened in an extreme way after the coronavirus crisis. In the first wave, solutions occurred at the state level. In this way, Brazil became the epicenter of the epidemic, without a holder in the ministy.  

Or rather with the passage of two holders and, now, without a holder in the ministry.  Today, the parties decide what they deem relevant, without any central coordination. In this context, the next few days will be extremely difficult for families, the sick and health professionals.    

In the transition to the second wave I fear for the most acute part of the health crisis. The absence of central coordination and regional pressure could lead the country to the worst. como criar uma loja virtual

The country is easing economic activity without having yet reached the plateau. This is what infectologists say, who repeat what the WHO says.    In addition, there are no resources for testing.    So, it will be based on trial and error.

In my perception, the scenario is the worst possible.    Under these conditions, the virus will move up slums faster. Displacement “at full throttle” will be inevitable.    It is unfortunate to live with an irremediable evil.

…  

The virus going up the slope and a third of those who waited for help did not receive.   In fact, more than half of the population did not even ask for anything.    This seems to me an important record.   Despite so much publicity in the media, fifty-seven percent of the population did not ask for anything. 

And of the supplement requested, which represents 43% of the population,  one third has not yet received because the emergency arrived in parts even with all the media disclosure.    In public accounts, which was the “government thermometer” that was of interest before the epidemic, there is already R$ 152.6 billion more to be accounted for in the result for the year.meuip

Against this backdrop, I see the sliding, on public roads, of the president’s supporters.     No obstacles so far.    In these conditions it was evident, the presence of an opposite reaction, right there, ahead.    It does not need large resources of opinion polls to predict that systematic polarization in the country would bring back the clashes, between the parties, to public roads. 

And there were those who presented themselves as representatives of the organized football fans, or anyone else, a reaction that I did not imagine could come from there.    And so, the conflict manifested itself, last Sunday, on Avenida Paulista. 

And for all that I have read, the clash could become systematic starting next weekend.   For a Brazil that needs investment on the edge and in which  credit does not reach the point, a political clash on the streets is the worst that can happen in the midst of the crisis even in the funeral homes. 

…  

A demonstration effect of what is happening in the USA is a contagion that can manifest itself in the country, now, without delay, unless someone turns on the light because it is essential to seek some negotiation.    Yesterday evening, when I went to sleep, I saw on the television screen a demonstration by the president saying that what he was seeing was the worst that could happen for the country.   

What a missing Tancredo does!  In the crisis of the 1960s he was in the Central Plateau and it was an important light.   In the crisis of the 1980s, he was again in the Central Plateau and was an important light. In the current crisis of the 1920s, no equivalent has yet appeared, who will take the evil head on and bring the light to everyone. How fragile we feel!

Good morning blog reader!

PHOTO BELOW:    When I was in Lourdes, France, everything I saw left me, really impressed. There was the cave where Our Lady presented herself to Bernadete Soubirous until July 16, 1858, date of the last apparition, which was the subject of a slide published in a previous post of my blog, last month, on May 24th.  meuip

There were wheelchairs, crutches and all sorts of memories alluding to the graces achieved. I left the place where the cave was next to the rocks, I went through a wide place towards the Basilica.    As I migrated from one place to another I realized that there was actually more than one church.   

Arriving at the site I checked that there was a church below and another one above.    Below is the Basilica of Pius X, filled with canvases of saints and a surprising size, 12 thousand square meters with a capacity to receive 25 thousand faithful.    It is under the lawn.  

I went ahead, went up the stairs and arrived at the location of the shot.     It was the inner part of the Upper Basilica, the Basilica of the Immaculate Conception.    It maintained the 13th century style. 

The image is dark because the place was like this and I had a flash, but in 1969 I didn’t have all the resources I have on my cell phone, in 2020.    Anyway, the registration was done and I publish it now. meuip

BRASÍLIA, distante de todos, post 47, 03.06.2020, o impasse chega às ruas

Porto Alegre, 3 de junho 2020

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 06h10, 11,4 graus C, 88% de umidade, sol à vontade

A retomada brasileira na dimensão econômica parece ter emperrado de vez.   Novos problemas na dimensão política eclodem a cada dia.   Por sorte, Alexandre de Morais assumiu o STE com a presença de Jair Bolsonaro no vídeo.   O gesto de reconciliação foi a saída para o impasse de ontem. 

Então, o impasse entre ambos da semana passada poderia ter ficado para trás?  E tudo voltar às boas?  Eu acho difícil.  A instabilidade do presidente tem sido recorrente.  O que hoje é um problema, depois de amanhã voltará ser. 

Nesse ínterim ele consegue flexibilizar algum contato, dizer que não disse o que disse.  Contudo, depois, tudo volta como dantes.  E assim, o país chegou ao grande impasse entre o homem, o filho e o Supremo.

Ora, se o Brasil já convivia sem planejamento até janeiro, o quadro se agravou de forma extrema após à crise do coronavírus.  Na primeira onda as soluções se deram em nível estadual.   Dessa forma o Brasil se tornou o epicentro da epidemia, sem um titular na pasta.  

Ou melhor com a passagem de dois titulares e, agora, sem um titular na pasta.  Hoje, as partes decidem o que julgam pertinente, sem qualquer coordenação central.    Nesse contexto, os próximos dias serão extremamente difíceis para as famílias, para os enfermos e para os profissionais da saúde.    

...

Na transição para a segunda onda eu temo pela parte mais aguda da crise sanitária.  A ausência da coordenação central e as pressões em âmbito regional poderão levar o país ao pior. 

O país está flexibilizando a atividade econômica sem ter chegar ainda ao platô.   É o que dizem infectologistas que repetem o que diz a OMS.  Além disso, não há recursos para testes.  Então, vai ser na base da tentativa e erro.

Na minha percepção o cenário é o pior possível.  Nessas condições o vírus subirá favelas em maior velocidade.  O deslocamento “a todo vapor” será inevitável.  É lamentável conviver com um mal irremediável.

…  

O vírus subindo a ladeira e uma terça parte dos que esperavam por auxilio não recebeu     Na verdade, mais da metade da população nem chegou a pedir nada.   Esse me parece um registro importante.    Mesmo com tanta divulgação na mídia, cinquenta e sete por cento da população não pediu nada. 

E do complemento que pediu, e que representa 43% da população, um terço ainda não recebeu porque o emergencial chegou em partes mesmo com toda a divulgação da mídia.     Nas contas públicas, que era o “termômetro do governo”  que interessava antes da epidemia, já há R$ 152,6 bilhões a mais a contabilizar no resultado do exercício.

Com esse pano de fundo, eu vejo o deslizar, em via pública, dos simpatizantes do presidente.  Sem obstáculos até agora.  Nessas condições era evidente, a presença de uma reação contrária, logo, ali, à frente.  Não precisa grandes recursos de pesquisas de opinião para prever que a polarização sistemática no país traria de volta os embates, entre as partes, às vias públicas. 

E apareceram os que se apresentaram como representantes das torcidas organizadas, ou de quem quer que sejam, uma reação que eu não imaginava que poderia vir dali.     E assim o conflito se manifestou, no último domingo, na avenida Paulista. 

E por tudo o que tenho lido o embate poderá se tornar sistemático a partir do próximo fim de semana.   Para um Brasil que precisa de investimento na ponta e em que o crédito não chega ao ponto, um embate político nas ruas é o que o de pior pode acontecer em meio à crise até das funerárias. 

 Um efeito demonstração do que está acontecendo nos EUA é um contágio que pode se manifestar no país, agora, sem demora, a menos que alguém acenda a luz porque é imprescindível buscar alguma negociação.   

Ontem, à noite, quando eu me recolhi, eu vi na tela da televisão uma manifestação do presidente dizendo que aquilo que ele estava vendo era o pior que poderia acontecer para o país.     

Que falta que faz um Tancredo!  Na crise dos 60 ele estava no Planalto Central e foi uma luz importante.  Na crise dos anos 80 ele estava no Planalto Central e foi uma luz importante.  Na crise atual dos anos 20, ainda não apareceu alguém equivalente, que pegue o mal de frente e leve a luz a toda gente.  Que frágil que a gente se sente!

Bom dia leitor do blog!

FOTO ABAIXO:   

Quando eu estive em Lourdes, na França, tudo o que me vi me deixou, deveras impressionado.   Havia a gruta onde Nossa Senhora se apresentava a Bernadete Soubirous até 16.07.1858, data da última aparição, e que foi motivo de slide publicado em post anterior, no mês passado, no dia 24 de maio.  

Havia cadeiras de rodas, muletas e todo o tipo de lembranças alusivas às graças alcançadas.   Eu sai do local onde estava a gruta junto às rochas, percorri um local amplo em direção à Basílica.   À medida que eu migrei de um lugar para outro eu percebi que havia, na verdade, mais de uma igreja.   

Chegando ao local eu verifiquei que havia uma igreja em baixo e outra, em cima.   Em baixo estava localizada a Basílica de Pio X, repleta de telas de santos e de um tamanho surpreendente porque abrangia 12 mil metros quadrados com capacidade para receber 25 mil fieis.    Ela ficava em baixo do gramado.  

Segui adiante, subi a escadaria e cheguei ao local da foto batida naquela ocasião.  Era a parte interna da Basílica Superior, a Basílica da Imaculada Conceição.   Ela mantinha o estilo do século XIII. 

A imagem está escura porque o lugar estava assim e eu tinha flash, mas não dispunha, em 1969, de todos os recursos que eu tenho no celular, em 2020.    De qualquer forma, o registro foi feito e eu o divulgo agora. 

ECONOMY OF JAPAN, post 41, 02.06.2020, from the coronavirus crisis to the fall in corporate profits

Porto Alegre, June 2, 2020

Opening hours of the alley of Rua General João Manoel, 06h10, 9 degrees C, 81% humidity, no rain 

I make a tour of the Asian newspapers and stop in a headline in the Japan Times today. She reports that corporate profits in the first quarter saw the biggest drops since the 2009 crisis, the fall of 2009.   It is the coronavirus crisis leaving its record in the land of the rising sun.  

As I write this post, I am remembering the first day that I arrived in Tokyo to take a Planning Course sponsored by the Government of Japan. I was a fellow at the Overseas Technical Cooperation Agency (ACTO) and participated in a class with economists from different countries. countries of the world.   

Because on the first day at ACTO I went to lunch at a restaurant that was on site. The place was large and crowded. There was a large china cabinet at the entrance, with dishes served, I imagine they were plastic copies, where there was every possibility for the visitor to be served. We went with the waiter to the cabinet and pointed out each of the desired foods.  meuip.co

….

An hour later I remember that one of the colleagues suggested that we go to the lobby because he wanted to smoke a cigarette. We left the packed hall and arrived at the crowded hall. The smoker looked at us, smiled and invited everyone to go to the street. When we arrived on the sidewalk in front of the building there was a crowd.   

That is, wherever we went, there were a lot of people. I remember that I thought there was a Brazil within a Rio Grande do Sul. In these conditions it couldn’t be different. When the crisis in Wuhan came up, the first idea that came to mind was the difficulty that Japan would have in living with the virus.

I access the Johns Hopkins scoreboard and realize that Japan has 1 6,786 infected, practically equal to the number in Argentina, and 899 deaths, 350 more cases than in the country of Alberto Fernández. I heard interviews with Brazilian infectologists that in the cases of Japan and Korea there were widespread tests and this should explain the reduced number of victims although the territory is very small meuip.co

Although Shinzo Abe’s government controlled the epidemic, economic activities were strongly impacted by the current crisis. GDP that had grown 0.7% in 2019 is expected to decline -5.2% in 2020 according to the April edition of the World Economic Outlook, (WEO), the World Economic Outlook of the International Monetary Fund (IMF).

…  

Japan’s economic stability figures are surfacing a traditional problem in the local environment. I remember my time as a teacher when I heard those responsible for the Bank of Japan or the Treasury express their perceptions of extreme optimism when “some inflation was assured” .

Now, for inflation to traditional recipes; for deflation, no. So, there was a permanent “dating” with an expectation of some price increase. For last year, 2019, the CPI stood at 0.5% and for the current year, 2020, the forecast is for an increase of only 0.2%.

This predicted behavior is the result of living with the coronavirus crisis. A drop in Gross Domestic Product of -5.2% and the Consumer Price Index stabilized at 0.2% in the current year. The economy is reversing and prices do not react in 2020.  meuip.co

In this scenario and before taxation, Japanese companies that are followed up in studies by the Ministry of Finance, recorded profits of 15.14 trillion yen, equivalent to US $ 140 billion, which meant a 32% decrease compared to the period similar to the previous year. There were four consecutive quarterly declines.

Now, this drop, according to the Japan Times edition, is only equivalent to that which occurred between July and September 2009, the year of the Great World Recession, and which reached the level of -32.4%.

Good morning blog reader!

PHOTO BELOW:meuip.co

In the photo I took in 1974, the person on the right was Mr. K. Kato, coordinator of the Planning course, and the one on the left is economist Darlan Conte, a technician at the Regional Economic Development Bank (BRDE) and my colleague and also a fellow, at the time of his stay in Tokyo.  meuip.co

The picture shows the Japan Planning Agency’s computer room. I needed permission to take the photo. Mr. Kato has a blue magazine with a graphic on the cover, which is the Japanese publication equivalent to the Economic Situation of the Getúlio Vargas Foundation.

The publication statistics were used in the classroom and I still have a copy of the magazine that appears in the photograph. The red dot represents the loss of photo quality after almost 50 years. meuip.co

ECONOMIA DO JAPÃO, post 41, 02.06.2020, da crise do coronavírus à queda nos lucros das empresas

Porto Alegre, 02 de junho de 2020

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 06h10, 9 graus C, 81% umidade, sem chuva 

Eu faço uma recorrida pelos jornais da Ásia e paro em uma manchete do Japan Times de hoje.    Ela informa que os lucros das corporações no primeiro trimestre registraram as maiores quedas desde a crise de 2009, o outono de 2009.  É a crise do coronavírus deixando o seu registro na terra do sol nascente.  

No momento em que escrevo este post eu estou lembrando do primeiro dia que eu cheguei em Tóquio para realizar um Curso de Planejamento promovido pelo Governo do Japão.   Eu era bolsista da Overseas Technical Cooperation Agency (OTCA) e participava de uma turma com economistas de diversos países do mundo.   

Pois no primeiro dia na OTCA eu fui almoçar em um restaurante que havia no local.  O local era amplo e estava lotado.  Havia uma grande cristaleira na entrada, com pratos servidos, eu imagino que eram cópias em plástico, onde havia todas as possibilidades do visitante ser atendido.    A gente ia com o garçom à cristaleira e apontava cada um dos alimentos que se desejava.  

….

Uma hora depois eu lembro que um dos colegas sugeriu que fôssemos para o hall de entrada porque ele desejava fumar um cigarro.    Saímos do refeitório lotado e chegamos ao hall também lotado.   O fumante nos olhou, sorriu e convidou a todos que fôssemos para a rua.  Quando chegamos na calçada na frente do prédio havia público de grenal.   

Ou seja, onde quer que fôssemos, havia muita gente.   Eu recordo que pensei que havia um Brasil dentro de um Rio Grande do Sul.  Nessas condições não poderia ser diferente.  Quando surgiu a crise em Wuhan, a primeira ideia que me veio à mente foi da dificuldade que o Japão teria em sua convivência com o vírus.

Acesso ao placar da Johns Hopkins e percebo que o Japão tem 16.786 infectados, praticamente igual ao número da Argentina, e 899 óbitos, 350 casos a mais que no país de Alberto Fernández.   Eu ouvi entrevistas com infectologistas brasileiros que nos casos do Japão e da Coreia houve testes generalizados e isso deve explicar o reduzido número de vítimas embora o território bastante reduzido 

Embora o governo de Shinzo Abe tenha controlado a epidemia, as atividades econômicas sofreram forte impacto da crise vigente.    O PIB que havia crescido 0,7% em 2019 deve recuar -5,2% em 2020 segundo a edição de abril do World Economic Outlook, (WEO), o Panorama Econômico Mundial do Fundo Monetário Internacional (FMI).

…  

Os números da estabilidade econômica do Japão estão surfando num problema tradicional na conjuntura local.    Eu lembro da minha época de professor em que eu ouvia responsáveis pelo Banco do Japão ou do próprio Tesouro manifestarem percepções de extremo otimismo quando “alguma inflação estivesse assegurada”

...

Ora, para inflação a receituários tradicionais; para deflação, não.   Então, havia um permanente “namoro”com uma expectativa de algum aumento de preços.   Pois durante o ano passado, 2019, o IPC ficou em 0,5% e para o corrente ano, 2020, a previsão é de um incremento de, apenas, 0,2%.

Pois esse comportamento previsto é resultado da convivência com a crise do coronavírus.   Uma queda do Produto Interno Bruto de -5,2% e o Índice dos Preços ao Consumidor estabilizados em 0,2% no presente exercício.   A economia anda de ré e os preços não reagem nesse ano de 2020.  

Nesse cenário e antes da tributação, as empresas japonesas que são acompanhadas nos estudos do Ministério das Finanças, registraram lucros de 15,14 trilhões de ienes, o equivalente a US$ 140 bilhões, o que significou uma queda de 32% na comparação com período semelhante do ano anterior.   Foram quatro quedas trimestrais consecutivas.

Ora, essa queda, segundo a edição do Japan Times, só tem como equivalente àquela ocorrida entre julho e setembro de 2009, ano da Grande Recessão Mundial, e que chegou ao patamar de -32,4%.

Bom dia leitor do blog!

FOTO ABAIXO:

Na foto que eu bati em 1974, a pessoa da direita era o Sr. K. Kato, coordenador do curso de Planejamento, e o da esquerda é o economista Darlan Conte, técnico do Banco Regional de Desenvolvimento Econômico (BRDE) e meu colega e também bolsista, à época da estada em Tóquio.  

A imagem mostra a sala dos computadores da Agência de Planejamento do Japão.  Eu precisei de autorização para bater a foto.  O Sr Kato tem às mãos uma revista em cor azul e com um gráfico na capa, que é a publicação japonesa equivalente à Conjuntura Econômica da Fundação Getúlio Vargas.

As estatísticas da publicação eram utilizadas em sala de aula e eu mantenho, até hoje, uma cópia da revista que aparece na fotografia.  O ponto em vermelho representa a perda da qualidade da foto após quase 50 anos. 

BRASÍLIA, distante de todos, post 46, 01.06.2020, da elevação da régua e da necessidade da trégua

Porto Alegre, 01 de junho de 2020

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 12h11, 16.0 graus C, 59% de umidade

O governo começou a dar uma guinada rumo ao Centrão.  Esse movimento esteve presente em outras legislaturas em que a maioria no Congresso se tornou uma saída política para o Planalto.  Pensando no passado recente eu vou, mentalmente, até à transição quando Tancredo não chegou a assumir e Sarney recorreu a esse grupo para governar.

De concreto, e como marco dessa movimentação política, o leitor vai encontrar a indicação de Marcelo Lopes da Ponte para o bilionário Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação.  Saiu da chefia de gabinete de Ciro Nogueira (PP-PI) diretamente para o FNDE.   Mais um passo na velha política do “toma lá, dá cá”.   Enganou-se quem pensou que poderia ser diferente.

A par da crise do coronavírus em pleno curso, da crise da economia a contabilizar perdas no fim do trimestre, o país ingressou num caminho sem volta na crise política.   Essa última passou da fase da provocação para a da ruptura.   

A forma do presidente se expressar deve ter contribuído para inviabilizar negociações imprescindíveis para à retomada da normalidade, ou melhor, de alguma normalidade.   Eu assisti pela televisão os acontecimentos de ontem, no centro de São Paulo.  Lamentável.  A régua subiu; a trégua, não.

É fundamental obter uma trégua entre os Poderes Constituídos.  A bola da vez é a investigação das fake news.  O tom mudou.   Havia uma corrente muito forte na mídia.  No fim de semana surgiu a reação.  No Brasil e em Brasília.    

Nesse ambiente, a presença de verbas de estatais no financiamento de fontes pedindo o fechamento do Congresso acendeu a luz vermelha no semáforo.   A posição da régua exige a formação da trégua. 

Boa tarde leitor do blog!

CASA BRANCA, la última en EE. UU., Puesto 43, 31.05.2020, situación económica complicada, escenario político en definicióncomo

Porto Alegre, 31 de mayo de 2020

Hora oficial del callejón en la Rua General João Manoel, 18h11, 17.0 grados C, 44% de humedad, llovió todo el domingo

Estados Unidos reina sobre la crisis del coronavirus. De hecho, cuando el país organizó el lanzamiento de dos astronautas en la nave espacial Crew Dragon a la Estación Espacial Internacional, en medio de huracanes cerca de Cabo Cañaveral, el epicentro del coronavirus ya había migrado al continente americano. 

… 

Abro el marcador Johns Hopkins y confirmo que hay 6.025.960 infectados en el mundo. Hay 1.771.224 en los Estados Unidos y 498.440 en Brasil. El resto de los países vienen después. En muertes, hay 103.815 en los Estados Unidos y 28.384 en Brasil. Aquí, Brasil ocupa el cuarto lugar, pero en el piso del carro es cuestión de tiempo para un acercamiento más cercano con el país líder del grupo.

Me siento en el cine viendo una película de ficción. En la pantalla, una depresión económica. Mis lecciones de los últimos cincuenta años sobre la crisis de 1929 se convirtieron en un hecho del siglo pasado. Ahora, la realidad es diferente. 

En la película, en medio de los últimos intentos fallidos de innovación, el infecólogo principal no puede alcanzar la vacuna. Atento a las imágenes, apoyo al infectólogo, pero el subgrupo de innovación simplemente no puede obtener el resultado esperado.   

Thony Alfauci, el director de la película, creó un grupo de ficción para inventar medicamentos, pero nada. Cuando sale del laboratorio, el infecólogo principal pasa por las instalaciones de las empresas que se han declarado en quiebra, en las sucursales bancarias donde hay señales que indican que el crédito solo estará disponible desde allí durante tres días.   

En el periódico, el titular muestra líneas de personas desempleadas en un período de reducción parcial del aislamiento. Hay carteles, de los populares que piden comida. Hay más comida escrita en el plato que pasa frente a la cámara.   

La estadística que importa es el nivel de producción. El coronavirus no da un descanso, pero es necesario invertir en la creación de uno nuevo mañana. La controversia entre preservar vidas y encontrar trabajo son aguas pasadas. Ahora, el desafío es diferente.  

En el editorial del periódico, el infecólogo jefe lee sobre cuestiones básicas de economía. En el mundo hay dudas sobre las inversiones y los gastos futuros. ¿El nuevo perfil llegó para quedarse? ¿Por cuánto tiempo? La economía que era, se quedó. La normalización esperada permanece en espera. 

Los textos básicos de la experiencia secular se cargaron en los archivos de la biblioteca de Alejandría.   Los bibliotecarios locales se quejan. El historial de Alexandrina está casi lleno. Argumentan que el enfoque local es diferente. ¿Hacer lo que?  Es una historia así, Abdul Fatah Khalil Al-Sisi quiere complacer y no hay nada de qué quejarse.

A medida que las víctimas del coronavirus se estabilizaron en el piso, los negocios parecen haber reabierto como si fuera el final de una guerra. La diferencia es que la infraestructura permanece en pie. No había tierra quemada. La naturaleza habría preservado el trabajo del pasado y solo habría cobrado vidas humanas en todos los lados de las trincheras.

Al final, el PIB de EE. UU. Cayó un 4,8% en el primer trimestre. No hay sorpresa a la vista. La tasa anualizada en el segundo trimestre será un horror. La caída en la tasa anualizada en la última crisis, la de 2018-19, cayó un -8.2% en el cuarto trimestre de 2018, pero esta tasa puede multiplicarse por cuatro cuando el NBER publica los datos en sus tres versiones, un inicial, dos más revisados.

Por ahora, todo se ha jugado para Donald Trump. En la segunda quincena de marzo, la aprobación del presidente aumentó al 45,4% del público consultado por FiveThirtyEight. Recuerdo haber escrito una publicación porque fue una reacción del presidente, ya que los demócratas habían elegido entre Joe Biden y Bernie Sanders.

 …

Aunque simpatizaba con la administración, consideré que, en condiciones normales, Biden y Sanders no eran oponentes de Trump. Luego, Estados Unidos se volcó con el coronavirus. Y Trump comenzó a vivir con otro oponente, más joven y sin las mismas pretensiones políticas que Joe Biden.

Allí, el gobernador Andrew Cuomo, de Nueva York, comenzó a enfrentar a Donald Trump, en una controversia “a los devas”, diariamente con la Casa Blanca. La popularidad del presidente volvió a caer. Del 45.4% de preferencia, el nuevo índice mostró 42.6% el 18 de abril. 

He estado siguiendo la forma en que Trump se comporta en público. Lo vi, por televisión, en Cabo Cañaveral en el intento fallido de la cápsula, el miércoles, y lo volví a ver cuando llegó al mismo lugar, al lado de Melania, ayer por la tarde. El presidente parece que la popularidad no se ha retirado.

La situación estadounidense parece vivir con las caídas más abruptas posibles, pero es necesario reconocer que las autoridades y los agentes económicos reaccionan de inmediato. Además, los recursos llegan a su destino final. 

Mientras tanto, Trump actúa contra empresas locales que interactúan con China. Es una verdadera pulga en la camisa de los Fondos que asigna recursos en empresas chinas. Al mismo tiempo, las alertas a las empresas locales de los posibles efectos de las acciones de piratas informáticos chinos son una acción recurrente en el país.

Los medios han publicitado la nueva configuración de Hong Kong con la seguridad de China. Las patrullas estadounidenses están llegando a la costa de Malasia. Trump parece ignorar el discurso de Xi de un monopolio sobre las relaciones económicas que involucran petróleo en el Mar del Sur de China.

Trump le dio la espalda a la Organización Mundial de Comercio y a la Organización Mundial de la Salud. Ciertamente, otras organizaciones que el presidente acusa de financiarse con dinero estadounidense están en la mira. Especialmente aquellos que predican una agenda sostenible, que es lo que los europeos predican para la reanudación de las actividades económicas.

Creo que la Organización Meteorológica Mundial puede estar entre las siguientes en recibir críticas de Donald Trump. El coronavirus ha dado un impulso a los niveles de emisión de carbono. La comunidad internacional trabaja con una caída del 6.0% de 2019 a 2020. La agenda sostenible debe ser apoyada desde allí. Trump ciertamente estará en contra de eso.

Finalmente, una palabra sobre precificación.   La aversión al riesgo sigue al choque entre Estados Unidos y China. Hay horas de precaución asociadas con la decisión de Xi de imponer una ley de seguridad en Hong Kong. La contraparte debía reconocer que había una pérdida de autonomía y una posible revocación de los acuerdos comerciales. Las cifras del mercado laboral en términos de reclamos de seguros se han ralentizado, pero es probable que las cifras de mayo impresionen, tanto en seguros como en tasas de desempleo. …

Buenas noches lector de blog. Día muy lluvioso en Porto Alegre.

FOTO ABAJO:

La imagen es de San Sebastián, en la frontera de España con Francia, en una foto de 1969. Este viaje temprano en automóvil que hice por países europeos fue el primer día de temperatura agradable que encontré durante el viaje.

Escribí en una publicación anterior que quería conocerte porque era parte del País Vasco. Encontré una ciudad maravillosa. Había playas porque está cerca de Baia da Concha. El acceso a la ciudad era a través de paredes con muchos escudos y escudos de armas en las entradas. 

Desde la secundaria en mi ciudad natal, escuché sobre la organización armada que estaba en el país, recuerdo las imágenes de ETA,  Euskadi Ta Askatasuna,   en las páginas de O Cruzeiro. Tuve dificultades paracomo fazer uma loja virtual comprender cómo se desarrollaba el proceso en torno a las actividades del grupo armado.como fazer uma loja virtual

En ese momento, como estudiante, también escuchaba en la radio y leía en los periódicos acerca del IRA, el Ejército Repulicano Irlandés, el Ejército Republicano Irlandés, un ejército paramilitar católico. Al enterarme de la información, me pregunté cómo, siendo católica, practicaba todo lo que mostraban las imágenes en nombre de la separación del Reino Unido de una parte de Irlanda.

Fue difícil entender las actividades de IRA (1919)   y ETA (1959) en mi adolescencia. Sin embargo, ambos estaban sistemáticamente en las páginas de los periódicos. 

Bueno, pero aparte de todo lo que sabía cuando era menor, lo que importaba en ese momento, 1969, era que estaba en San Sebastián, en el País Vasco, al lado del Golfo de Vizcaya. Y todo parecía extremadamente moderno. Las avenidas estaban llenas de turistas. Todo muy diferente de lo que había visto hasta ahora en España. como fazer uma loja virtual