A situação da Venezuela está para lá de complicada.  Veja, o leitor, que o PIB do país recuou 16,0% no ano passado e 12,5% no corrente ano, segundo a publicação Panorama Econômico Mundial do FMI.  Expectativa para 2018?   Nova queda, dessa vez de 6,0%.

A estabilidade se esvaiu há muito tempo.  A inflação medida pelo Indice de Preços ao Consumidor (IPC) deve alcançar a 652,7% em 2017.   O FMI trabalha com uma previsão de IPC em  2.349,3% em 2018.

Economia em recessão, preços nas núvens e o mercado de trabalho no caos.  A taxa de desemprego continua subindo a montanha: 20,6% (2016), 26,4% (2017) e 29,8 % (2018).   A balança comercial já apresentou saldos negativos expressivos em 2015, mas deve estar próxima do  equilibrio no corrente ano.

Eu lembro que na época em que eu era professor nos anos 70 , eu utilizava um turno de aula, ou seja, quatro horas de aula, somente para apresentar o conteúdo sobre a o petróleo e a Venezuela.  O país “podia tudo”.  Hoje, o país “nada pode”.  Em foco, o calote.

Na verdade, está em curso a renegociação mais incerta de um a dívida externa – passivo de US$ 150 bilhões  contra reservas externas de US$ 10 bilhões – em âmbito internacional.   Tudo em cima das maiores reservas do ouro negro – US$ 15 trilhões – em escala mundial.  Não é pouca coisa e nem para qualquer um enfrentar tamanho desafio.

A crise política interna é interminável.  Ela se propagou para o Exterior, e em particular, para oMercosul e para a relação com o embaixador Rui Pereira, representante do governo Temer que foi expulso da Venezuela.

E com todo esse contorno político-econômico, Maduro anunciou no dia 11 do corrente mês que venceu as eleições em 92% dos municípios venezuelanos.  Ë verdade que os votantes presentes ao pleito nao representaram a metade dos eleitores registrados no país.  A par desse resultado é importante registrar que há pesquisa de opinião para todas as preferências, a favor e contra Maduro.

A edição do dia 27.12 do jornal New York Times trouxe um artigo de autoria de Kirk Semple e Clifford Klauss, intitulado Once a cash cow, Venezuela’oil company now verges on collapse, ou seja, a joia da coroa está à beira do colapso.

Vou prosseguir monitorando o caso Venezuela.

FOTO ABAIXO:  Mercado Público de Porto Alegre, 29.12.2017, 16h00

 

 

VENEZUELA, a crise avança rumo à PDVSA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »