Porto Alegre, 27 de março de 2019

OUTONO

INTERNACIONAL

1 A VENEZUELA CONVIVE COM MAIS UM APAGÃO

A Venezuela convive hoje com mais um apagão.  É o quarto do corrente mês.  O atual começou no início da corrente semana. 

O efeito de dispersão pelo país é crescente.  Há mais estados onde o que se começa a dar destaque são os momentos excepcionais em que há luz.  A norma parece ser o de um convívio sem a eletricidade.  O apagão atual atinge vinte estados.  O governo vocifera que é resultado de ações contra Maduro. 

2 A VENEZUELA RUMO AO CAOS

Sem luz, falta água.   Contudo também já há falta de educação, de saúde e de trabalho.  Sem luz, o governo optou por interromper as aulas e os empregos. 

O apagão na eletricidade vai levar a Venezuela a conviver com um apagão na gestão.  Sem negociação entre Maduro e Guaidó, o país das imensas reservas de petróleo vai para o caos. 

3 A ESPANHA DEFINE ALIANÇAS PARA O PLEITO DE 28 DE ABRIL

Desde que a Espanha definiu a data de 28 de abril para a realização das próximas eleições à chefia do governo espanhol, o cenário político tem se mantido muito instável.

Agora é chegado o momento das alianças.  O governo de Pedro Sanchez tem procurado negociar com os separatistas, mas há dificuldade de formular um acordo exequível nas condições da política atual.

Do outro lado, os Ciudadanos (CS) e os Populares (PP) começam a convergir em termos de estratégia para governar a Espanha.   Hoje, a imprensa de Madri dá conta que Paulo Casado, o jovem presidente do Partido Popular se candidatou a ser chanceler em um governo com o Ciudadanos. 

4 MAIS UM PROBLEMA COM O BOEING 737 MAX 8

Não bastassem os acidentes do Boeing 737 Max 8 da Lion Air e da Ethiopian Airlines e não bastasse a opção dos chineses em adquirir 350 aviões da Airbus, ontem houve uma nova adversidade no cenário dos negócios das aeronaves.

Ocorre que um  737 Max 8 da Southwest, que não levava passageiros, decolou na Flórida e precisou retornar ao aeroporto por defeito em um dos motores do avião.

POLÍTICA

1 MAIS UMA DEMISSÃO NO ALTO ESCALÃO DO MEC

O MEC prossegue em sua sina.  Todos os dias a pasta da Educação ocupa as manchetes dos jornais em primeira página.   Dessa vez, houve a saída de Marcus Vinícius Rodrigues, o presidente do INEP, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

O adiamento na avaliação da alfabetização de crianças esteve no cerne do “equívoco” entre a portaria do INEP e a decisão do gabinete do ministro.

2 PRESIDENTE DE VOLTA AO HOSPITAL

Aqui do meu beco estou torcendo que tudo transcorra conforme o script na recuperação da saúde do Presidente Jair Bolsonaro.  

Lembrando Saint-Hilaire, eu acredito que na volta ao Planalto o presidente Bolsonaro deve identificar a “saúva” que emperra o Brasil e partir para uma ação convincente, envolvente e, mais do que tudo, producente. 

3 SURGEM OS PRIMEIROS SINAIS DE FLEXIBILIZAÇÃO DA REFORMA

A aposentadoria rural e o benefício da prestação continuada estão no radar daqueles que desejam flexibilização da reforma da previdência.

Essas duas bandeiras estão calçadas na posição de treze partidos que chegam próximo das 308 cadeiras necessárias para aprovar a reforma.   

4 OU MARINHO DESIDRATA OU A DESIDRATAÇÃO FICA COM TERCEIROS 

Na verdade, seria necessário que Rogério Marinho partisse desse grupo de 291 deputados e tomasse a iniciativa de desidratar a reforma e minimizar os efeitos sobre a proposta original. 

Caso contrário, ele corre o risco de ver o Legislativo assumir o bisturi e tornar irreconhecível a proposta original do Governo Bolsonaro.    

ECONOMIA

1 A ECONOMIA BRASILEIRA NO PERÍODO 1900-70

Veja, o leitor, dos anos 10 aos anos 30 do século passado, a economia brasileira mantinha uma taxa de crescimento médio anual entre 4,0% e 5,0%.   Nos anos 40, o PIB cresceu a taxa média anual de 5,4% e nos anos 50, essa taxa média de crescimento foi aos 7,4% ao ano.

Nas duas décadas seguintes, 60 e 70, a economia manteve o desempenho lá em cima:  6,2% nos anos 60 e 8,6% nos anos 70.

2 A ECONOMIA BRASILEIRA NO PERÍODO 1980-90

Aí, vieram os anos 80, os anos dos choques econômicos e o PIB cresceu a taxa média anual de 1,6%.   Na década seguinte, a do Plano Real, a economia brasileira avançou a taxa média anual de 2,6% nos anos 90.  Desempenhos decepcionantes. 

3 A ECONOMIA BRASILEIRA NA DÉCADA DE 2000

Chegando ao início do novo século, o Brasil continuou voando baixo, mas mesmo assim o PIB cresceu a taxa média de 3,7 ao ano.

4 A ECONOMIA BRASILEIRA NA DÉCADA DE 2010

E, aí, chegamos ao pior desempenho da nossa história.  Os dados são do IBRE, da Fundação Getúlio Vargas.  Há estimativa que a taxa média anual de crescimento do PIB na década atual ficará em 0,9%. 

5 UM MAU DESEMPENHO DA ECONOMIA BRASILEIRA SEM PARALELOS

É isso aí mesmo.  O leitor não leu de forma incorreta.  O PIB do Brasil está crescendo a taxa média anual de 0,9% na década atual.  

A economia brasileira está no fundo do poço e o governo tropeça, inclusive, nas comunicações em torno de uma reforma previdenciária quilométrica. 

A economia está em voo rasante e se discute tudo, menos como vamos sair dessa estagnação que sucedeu a grande recessão.

6 UMA CRENÇA DESLAVADA

A situação está dificílima. É preciso uma concepção que não fique girando em torno da reforma previdenciária.   Não precisamos saber o que o setor público vai conseguir daqui há dez anos.  Precisamos saber como o setor público vai chegar no fim do corrente ano. 

A Câmara aprovou o Orçamento Impositivo em segundo turno.  Isso vai impactar para o próximo ano.  Precisamos saber mais sobre o corrente ano.

Paulo Guedes não foi à reunião de ontem na Comissão de Constituição e Justiça porque a CCJ não tinha relator ou porque, segundo Rodrigo Maia, ia se deparar apenas com a bancada da oposição. 

Seja uma, ou seja outra, a razão da ausência, isso em nada vai mudar o andamento da reforma quilométrica da previdência. 

7 NÃO HÁ MAIS TEMPO A PERDER

Lamentavelmente, uma estratégia de crescimento pressupõe uma política de comunicação com a sociedade que seja exequível.  O Brasil precisa saber para onde o Brasil será levado até o fim do corrente ano. 

Chega de equívocos, de entrevistas intermináveis, de explicações frágeis, é fundamental definir uma proposta com meia duzia de medidas que revertam o quadro que está aí. 

Não há tempo a perder focando na prisão do Temer, não dá para prolongar ainda mais o conflito de poderes, é incrível as notícias que fluem da Pasta da Educação, a mais importante da esfera pública nacional.   É lamentável perder tempo com a busca de uma nova agenda externa quando os problemas são internos. 

O BRASIL PRECISA DE UMA ESTRATÉGIA ENXUTA

É imprescindível uma agenda enxuta.  Que haja, concomitantemente, convergência de discursos dos ministros.  Que convença, que não haverá mais uma década perdida.  Que perceba, que o cenário externo está em mudança.  Que não precisamos mais marcar passo com Mercosul, Unasul, Prosul e outras estórias que surgem somente no sul.  Ou há convergência de políticas econômicas ou não há o que fazer entre economias tão frágeis. 

Precisamos convicção em torno do prazo para a retomada da economia, da melhora no mercado de trabalho, na perspectiva para a taxa de juros na ponta do consumidor e a expectativa para o comportamento da divida pública, no destravamento da infraestrutura e na volta do grau de investimento. 

O resto é o resto. 

 ESPORTES

1 SELEÇÃO BRASILEIRA MELHOROU DESEMPENHO NO SEGUNDO TEMPO

A seleção fez um primeiro tempo muito ruim frente a república tcheca.  No segundo tempo houve uma melhora a olhos vistos.  Tomara que a canarinho não caia de rendimento às vésperas de uma grande competição. 

2 O PAULISTÃO ESTÁ CHEGANDO AO FIM

Grande vitória do Palmeiras na noite passada.  Matou o jogo no início.  Eu assisti a partida do Santos.  Mesmo sem vencer teve uma atuação convincente.   Acho que foi uma grande jogada contar com Sampaoli como técnico porque o plantel é acanhado, é reduzido e  mesmo assim joga para a frente. 

3 HOJE É NOITE DE GAUCHÃO

O Internacional joga hoje o jogo de volta contra o Novo Hamburgo.  Eu creio que é apenas para cumprir tabela.  O colorado precisa estar com a equipe completa para a próxima partida da Libertadores.  No fundo o que está acontecendo com o futebol do D’Alessandro, o melhor jogador da equipe? 

Bom dia leitor do blog!

FOTO ABAIXO: Zona Sul de Porto Alegre, março de 2019

 

BRASIL, bom dia leitor do blog em 27.03.2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *