Porto Alegre, 01 de abril de 2019

OUTONO

1 TERÇA FEIRA

Amanhã tem pancadas de chuva à tarde e a temperatura oscilará entre os 21 e os 32 graus

INTERNACIONAL

1 O JAPÃO NA MINHA VIDEOTECA

Desde que eu estudei planejamento econômico no Japão eu acompanho, sistematicamente, o que acontece no país do sol nascente.   De onde surgiu essa denominação?  Da China.  Isso porque olhando da China para o leste, onde estava o amanhecer, ali estava o Japão.

Aprendi muita coisa por lá.  E aqui, eu continuo lendo diariamente o Asahi Shimbun, um jornal com versão em inglês.  Gravo para a minha videoteca o programa Watch News do canal de televisão a NHK que tem tradução simultânea para o inglês.   No passado, até uns 5 ou 10 anos, o NHK tinha tradução simultânea para o português.  Hoje, não mais. 

2 A ERA REIWA

Pois hoje pela manhã, no horário de lá,  a fotografia de Yoshihide Suga, secretário da chefia do Gabinete, apareceu no jornal Asahi Shimbun e no noticiário da NHK, carregando um cartaz com a palavra REIWA. 

No dia primeiro de maio, começa uma nova era no país, a ERA REIWA. Nessa data, o príncipe Naruhito será coroado e ascenderá ao Trono do Crisântemo, o trono do imperador do Japão.  Hirohito teve responsabilidade na 2a Guerra Mundial, o seu sucessor, Akihito, um pacifista, está com a saúde debilitada e deve abdicar para a coroação de Naruhito.

A palavra Reiwa, venerável harmonia, foi buscada na Man’yōshū, coleção de poesias compilada em 759 D.C.

 3 A TESE DE DOUTORAMENTO DE PEDRO SÁNCHEZ
Na Europa o tema do plágio em dissertações de doutoramento fazem parte das manchetes de jornais e de discussões em programas de televisão.  É assunto recorrente.
Desde meados do ano passado que a tese de Pedro Sánchez, o presidente do governo espanhol, está tramitando em uma pauta dessa natureza.   Em setembro do ano passado, o jornal de direita ABC, lançou uma ofensiva contra o político afirmando que a tese era um plágio.  Sánchez reagiu imediatamente, mas o assunto se mantém na agenda desde então. 
Eu confesso que no principio eu me surpreendi com a repercussão da matéria na mídia.  Hoje, o ABC publicou um novo editorial intitulado La mentira como tesis.  Nele o jornal critica os sistemas de controle de qualidade no sistema político daquele país. 
A critica é jogada em duas direções, rumo a uma entidade privada que precisa contar com um número mínimo de dissertações de acordo com a legislação vigente e rumo a um político que se mentiu na dissertação pode mentir em qualquer outro assunto.  Eu voltarei ao assunto porque ele é muito repetitivo na Europa.  A crítica é muito frequente e os titulados se defendem para não cair do pedestal político em que se encontram.

 

POLÍTICA

1 ATÉ QUANDO SE MANTÉM O CAPITAL POLÍTICO DO CAPITÃO?

Eu começo a pensar até onde o presidente vivencia o Brasil de 2019.  O país tem problemas concretos que precisam ser solucionados, mas que se acumulam à medida que o seu governo não propõe nada além da reforma previdenciária quilométrica. 

ATÉ QUANDO SE MANTÉM O CAPITAL POLÍTICO DO CAPITÃO?

Em vez de se manter no posto, o presidente viaja e deixa o país a ver imagens geradas nos Estados Unidos, no Chile e, agora, em Israel.   O que interessa aos brasileiros ver o presidente sentado ao lado do Olavo de Carvalho que não deve ter nada de contribuição à política nacional.  E, em Santiago, o que o presidente podia esperar de o tal PROSUL?  E, hoje, em Israel, para que deixar os produtores rurais brasileiros preocupados com o futuro das exportações da   carne de frango?    

3 ATÉ QUANDO SE MANTÉM O CAPITAL POLÍTICO DO CAPITÃO?

Na ida à Comissão de Economia do Senado eu percebi a nova estratégia do Governo Bolsonaro e de recuperar as finanças dos Estados Brasileiros.  Quando indagado por um senador Lasier Martins sobre o futuro da Lei Kandir, Guedes disse que ela estava morta e enterrada.  Na hora eu pensei que aqui no RS o Brasil discute a Lei Kandir como se fosse um recurso a receber dentro de um prazo dado.  Eu já pensava assim, mas na hora o que me veio à mente é como os estados vão sair da penúria que enfrentam a muitos anos.   E, de carona, eu também pensei das dificuldades de Bolsonaro para sair daquela.

4 ATÉ QUANDO SE MANTÉM O CAPITAL POLÍTICO DO CAPITÃO?

E assim eu estava com todas as minhas dúvidas quando Paulo Guedes me surpreendeu.  Ele disse ao senador Lasier que não era mais preciso trazer a Lei Kandir de volta ao Brasil de 2019.  Ele tinha uma solução mais fácil e de curto prazo.   Um senador do Espirito Santo perguntou, então, qual era a solução mágica.  Eu o acompanhei na mesma dúvida e fiquei atento a mais um problema que estava absorvendo o capital político do Capitão.  Também, pensei, que fosse uma solução mágica.

5. ATÉ QUANDO SE MANTÉM O CAPITAL POLÍTICO DO CAPITÃO?

Aí, Paulo Guedes, saiu com uma que eu não esperava.   Por que é preciso deixar tanto dinheiro com um ministro? Porque é preciso fazer com que todos os Estados e Municípios levem as suas lideranças à Brasilia, de prato na mão, em busca de um minguado recurso?  Na hora, eu pensei rapidamente que os ministros perderiam o status e que o governo ficaria, ainda, mais fragilizado.   E, por extensão, eu assimilei a ideia que Bolsonaro iria deixar o seu Ministério sem sentido, sem dinheiro, ou algo assim.

6. ATÉ QUANDO SE MANTÉM O CAPITAL POLÍTICO DO CAPITÃO?

E, aí, Guedes indagou quanto um Estado tinha para receber da Lei Kandir.  Vamos imaginar que tenha sido R$1,6 bilhão.  O ministro contra-argumentou que para o ano que vem ao invés de levar R$ 1,6 bilhão, o governador poderia contar com R$ 4,0 bilhões.  Não era uma solução mágica como pensou o senador.  Era uma solução para 2020 como disse Paulo Guedes.  E de onde viria o dinheiro?   Das concessões na área de petróleo.  O dinheiro seria dividido com governadores e prefeitos que conhecem os problemas na origem ao invés de tomar o rumo dos ministérios.  Aí, eu confesso que me recolhi. Recolhi-me para pensar no “custo da simplicidade da solução”.

ECONOMIA

1 A ECONOMIA CADA VEZ MAIS FRÁGIL

A  economia não reduz o seu processo de desaceleração.  A cada mês, a cada semana, a cada pesquisa FOCUS, há previsão de um crescimento menor para o PIB no corrente ano.  Ontem foi mais um dia desses em que a estagnação ocupa o foco das atenções de todos.  O país vai crescer menos do que 2,0% no corrente ano mesmo depois de uma recessão de dar dó e de uma estagnação que transforma fé em pó.

2 O CORTE DE R$ 29,2 BILHÕES

Em um cenário que a economia avança pouco, as contas públicas vazam por todos os lados, a reforma previdenciária esta por cima de tudo e por cima de todos, não restou ao governo outra alternativa que antecipara o valor do corte na programação orçamentária e financeira.   Certamente, mais problemas se consolidarão à frente ao emaranhado em que o governo está inserido nesse início de segundo trimestre.

3 O INVESTIMENTOS PÚBLICO PARECE SER A BOLA DA VEZ

Recursos insuficientes no orçamento devem deixar os investimentos públicos à míngua.  Em 2014, o governo investiu R$ 100 bilhões.  A recessão derrubou o investimento público para R$ 66 bilhões (2015) e R$ 70,5 bilhões (2016).  E, logo a seguir, um novo tombo para R$ 48 bilhões (2017) e R$ 53 bilhões (2018).  E, em decisão da última sexta-feira haverá mais um corte e os investimentos públicos deverão ficar em torno de R$ 36,2 bilhões. 

Como olhar a crise pelo retrovisor se a economia cresce a 0,9% ao ano nessa década, os investidores virão quando a quilométrica reforma previdenciária for aprovada e os recursos destinados a investimentos públicos não param de cair?

ESPORTES

1 GAUCHÃO VAI CHEGANDO AO FIM

O Internacional venceu e o Grêmio empatou.  O jogo do Internacional foi difícil em Caxias.  O jogo do Grêmio foi relativamente fácil em Ijui.  Há o jogo de volta para a dupla Grenal, mas a final certamente será decidida com um Grenal.

2 CORINTHIANS E SÃO PAULO NA FINAL DO PAULISTÃO

Corinthians e São Paulo jogaram melhor que o esperado no fim de semana.  A vitória do Corinthians foi incontestável e o São Paulo deixou de ser a equipe previsível de todo o campeonato.  A menos que surja uma surpresa eu penso que Corinthians e Palmeiras farão a final do Paulistão

3 VASCO DECEPCIONOU AO FINAL DO  CLÁSSICO DOS MILHÕES 

O Vasco vencia o jogo aos 90 minutos da partida.  Na prorrogação levou o empate e nos pênaltis apresentou um desempenho vergonhoso.  O campeonato carioca é uma verdadeira gincana.  A fórmula não se justifica para aquele que foi o campeonato mais famoso do país.

ENTRETENIMENTO

1 TONIA CARRERO

Ontem, à noite, a TV Cultura de São Paulo apresentou uma programação muito interessante.  Eu assisti um programa sobre a carreira da atriz Tonia Carrero.   Na verdade, a própria atriz fez um relato de suas andanças pelos palcos e novelas brasileiros. 

Recomendo aos leitores que assistam o programa porque ele contribui para que o telespectador tenha uma visão do que foram aqueles anos do fim da década de 40 e dos períodos subsequentes.  Tudo à luz das percepções da própria atriz.

2 JAZZ SINFÔNICA 

Após, o telespectador teve ao seu dispor um outro programa top.  Música brasileira aliada à Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo dirigida pelo maestro Nelson Ayres e com a participação da cantora Monica Salmaso. Começou com Meia Noite de Chico Buarque e Edu Lobo e seguiu com Ciranda da Bailarina, Tim tim por tim tim, e prosseguiu por um repertório maravilhoso. 

3 JOÃO DONATO

Para encerrar a noite, um especial com toda a simpatia de João Donato e o seu Lugar Comum.  Noite artística de luxo!

Bom dia leitor do blog!

FOTO ABAIXO:

BRASIL, bom dia leitor do blog em 01.04.2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *