Porto Alegre, 14 de abril de 2019

As imagens a seguir são de 1970 e o local das mesmas abrangem a saída do Panamá e os primeiros dias em Houston, para onde eu havia me dirigido, na condição de professor de Economia da Universidade Federal de Santa Maria, após receber uma bolsa de estudos da Organização dos Estados Americanos (OEA).   

Na primeira fotografia está a professora Jane Aita, mãe dos meus filhos mais velhos, Henrique e Ângela, já falecida, ainda no aeroporto de Tocumen na cidade do Panamá.    

Em Houston, havia um grupo de estudantes estrangeiros chegando à Universidade, muitos deles vindos da Ásia. 

Na imagem abaixo, o grupo todo participou da fotografia batida na minha velha câmera.  Era a primeira oportunidade em que o grupo estava reunido em um evento realizado em um ambiente externo à Instituição.

Deslocava-mo-nos pela cidade, sempre em um daqueles tradicionais ônibus, school bus, que transportavam os estudantes em atividades de rotina em todo o território dos Estados Unidos. 

Nesse primeiro evento realizado em um sábado à tarde, fomos recebidos por um Executivo  da Universidade, à esquerda na imagem abaixo, bem como do seu adjunto, localizado à direita da fotografia, na administração da Instituição.

A programação era intensa. Em post anterior dessa mesma série eu relatei a vinculação que eu percebi entre a instituição universitária e a Igreja Batista. 

Daí a existência de muito debate, muita discussão e de muitas apresentações em um ambiente bastante adequado. 

Durante o dia havia reuniões ao ar livre onde eu percebia o elevado interesse dos alunos recém chegados à América sobre a pauta do evento.

Após a intensa programação realizada durante as horas do dia havia um horário reservado para as atividades de lazer que começavam pelo uso da piscina. 

As pessoas recém chegadas a Houston se deparavam com um calor abrasador.  A temperatura elevada e o sol intenso faziam com que os estudantes encontrassem uma forma de conviver com clima tão adverso. 

À tardinha, depois das horas de lazer, o grupo voltava a se reunir dentro de um auditório e ali se mantinha em novos debates por uma hora e meia até a hora do jantar.  E assim chegávamos, os alunos estrangeiros, enfim, ao fim do dia.  

Tudo o que descrevi nesse post se refere ao período em que eu já residia em Houston, embora as aulas ainda não tivessem começado,  Na verdade nem o processo de matrícula havia começado.

Até então, eu penso que as atividades estavam totalmente voltadas para a integração do grupo.  Embora esse objetivo não fosse explicitado pelos dirigentes da UH, mesmo assim eu creio que uma possível meta de integração dos alunos foi alcançada naqueles poucos dias desde a chegada ao Texas. 

MEMÓRIAS e outras histórias em 14.04.2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *