Porto Alegre, 09 de agosto de 2019. 

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 18h10, 18 graus  

No dia 02 de agosto eu escrevi o post 05 sobre a Península da Coreia.  Na oportunidade eu dizia que a península tinha amanhecido com uma nova ameaça.  

Ate então havia uma acordo comercial entre o Japão e a Coreia do Sul cobrindo a área de segmentos relacionados aos telefones inteligentes.   O que havia de original nos termos acordados era que a Coreia do Sul era sócia comercial preferencial do Japão. 

A razão de eu ter escrito o post era que o status coreano –  na área de fornecimento da cadeia de dispositivos eletrônicos –foi encerrado no corrente mês no comercio bilateral.   Daí que a decisão unilateral poderia levar a uma guerra comercial entre as partes.

…  

Para minha surpresa a edição do Japan Times de ontem trouxe a informação que os nipônicos deram um OK para a primeira remessa de material químico de alta tecnologia para a Coreia do Sul.  É verdade que o jornal informou que o embarque se deu sobre rígidos controles, mas, mesmo assim, a medida me parecia um tanto recente para que a liberação fosse rápida demais.

Na oportunidade, a ideia de que havia uma punição à Coreia ficou um tanto modificada à medida que a liberação se concretizou em curto espaço de tempo.    Hiroshige Seko, o ministro do Comércio, mostrou-se contrário à ansiedade mundial decorrente da imposição das restrições por parte do governo de Tóquio e também à ideia que houve amolecimento nos controles para atender à demanda coreana.

Seko, inclusive, afirmou que as autoridades não costumavam divulgar exportações desses produtos, mas, dessa vez, a situação era especial tendo em vista toda repercussão que o caso criou no ambiente externo.   

O ministro do comércio do Japão se negou a detalhar qual era a pauta das mercadorias enviadas, mas Lee Nak-yon, o primeiro ministro coreano informou que se tratava de fotorresistores utilizado em smartphones. 

Agora é preciso esperar pela próximas demandas coreanas e as respectivas autorizações nipônicas.  Ha todo um histórico por trás do impasse atual e que vem de problemas ocorridos à época da IIa Guerra Mundial.   

Os coreanos puniram os japoneses em 2018 por problemas ligados a trabalhos forçados no passado, ao passo que os japoneses afirmam que tal punição não se justifica porque foram resolvidas em solução conjunta de 1965.

FOTO ABAIXO: Lojas Lebes, antigas instalações da Guaspari, av Borges de Medeiros, Centro Histórico de Porto Alegre, julho 2019

 

PENÍNSULA DA COREIA, post 06, em 09.08.2019, liberação de exportações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *