Porto Alegre , 12 de agosto de 2019

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 00h10, 15 graus, máxima de 20 graus nessa segunda-feira  

Em torno de 23h00 eu liguei em rádios da Argentina para assistir os comentários sobre as eleições previas (PASO) realizadas nesse domingo.

Era um ambiente de festa.  Fiquei um tanto surpreso.  Conforme eu escrevi em dois posts nessa semana que passou, a diferença a favor de Cristina sobre Macri que era de 7% havia sido reduzida a 3%.  Foi o que eu li no Clarin.

As rádios argentinas eu acompanho por um aplicativo no meu celular.  Tentei a Rádio Mitre 790 AM, mas ela não estava fazendo cobertura das eleições naquele horário.  Migrei para a Rádio RIvadavia 630 AM e o repórter estava transmitindo diretamente da sede do chapa FRENTE DE TODOS no bairro Chacaritas, em Buenos Aires.

Naquele momento estava falando o economista Axel Kicillof.  Ele estava apresentado um discurso de agradecimento à população argentina. A todo instante o repórter da rádio entrava no ar reafirmando que ao contrário de todas as previsões a diferença entre Cristina e Macri era de 17%. 

Daí a festa de Kicillof, candidato à província de Buenos Aires, fez uma diferença inimaginável contra Maria Eugenia Vidal, a candidata de Macri à governadora de Buenos Aires.  O que ele repetia com frequência era que “ele tinha aprendido com as eleições  anteriores e que dessa vez ouviria a todos”.

Lembrando ao leitor do blog que a eleição é de primárias para definir o candidato a candidato para as eleições de 27 de outubro. Por isso a eleição é identificada como PASO, ou seja Primárias Abertas Simultâneas e Obrigatórias.  O que aconteceu que dessa vez cada chapa escolheu um candidato, ao contrário de eleições anteriores. 

E, assim, ficou quase como que um posicionamento eleitoral entre Macri e a oposição.  Havia outros oito candidatos disputando a candidatura à presidência, mas Macri e Cristina eram as principais opções de candidatos na disputa. 

Nesse momento, os resultados divulgados sobre as eleições PASO mostram Alberto Fernández e Cristina Kirchner com 10.473.541 votos (47,36%) contra 7.147.543 votos de Maurício Macri e Miguel FIchetto (32.24%).  O terceiro mais votado foi Roberto Lavagna com 1.871.338 votos (8,35%)

O péssimo desempenho e estabilidade da economia argentina determinaram, em grande medida, o resultado das eleições desse domingo. 

Boa noite leitor do blog!

FOTO ABAIXO:  Subindo a avenida Borges de Medeiros, Centro Histórico de Porto Alegre, agosto 2019.

 

ARGENTINA, instabilidade sempre, post 07, 12.08.2019, Cristina venceu as PASO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *