Porto Alegre, 16 de janeiro de 2020  

Horário oficial do beco da Rua General João Manoel, 06h10, 20 graus, chove e há vento muito forte

Foram seis lideranças democratas, lado a lado, buscando um lugar na cédula eleitoral da próxima eleição presidencial.   Foco o post em três deles, Joe Biden, 77 anos, Elizabeth Warren, 70 anos e Bernie Sanders,78 anos,  que me parecem os nomes mais fortes do debate em curso. 

A transmissão se deu via CNN.  Eu havia deixado ao leitor, em post anterior, o endereço eletrônico do canal de Des Moines, cidade do estado de Iowa. 

A pauta teve forte concentração no ataque dos drones norte-americanos ao aeroporto de Bagdá, no Iraque, e que resultou na morte do general Qasem Soleimani.   Também, houve atenção especial em especificar a forma como atacar e vencer o presidente Donald Trump no pleito. 

Joe Biden, ex-vice presidente dos EUA na gestão Obama, tem a preferência do eleitor democrata até aqui.  Ele está no centro do escândalo que ligou Donald Trump com o presidente da Ucrânia, o comediante Volodymir Zelenski.  O presidente norte-americano queria uma informação privilegiada e oferecia segurança, defesa, em troca.  A informação vazou e veio o início do processo de impeachment.

…  

Joe Biden aproveitou o papel de vítima e afirmou no debate que recebeu todos os ataques de Donald Trump.  Ele foi o mais visado pelo morador da Casa Branca, mas, a par dos acontecimentos, continuou subindo na preferência do eleitor americano.   Biden aproveitou o momento e enalteceu a predileção do eleitor afrodescendente pelo seu nome.   

Elizabeth Warren, senadora por Massachusetts, destacou que se criara uma ocasião para unir forças.  Colher do ensejo para agregar empenhos de democratas, independentes e, até, republicanos, que se encontrem exaustos de viver em um país que beneficia políticos, grupos de pressão e executivos de grandes empresas e que esqueçam de todos os demais. 

Elizabeth Warren, colocou-se na posição do profissional que concebeu um movimento de organização para fazer com que todos se beneficiem do país que ela pretende governar.

Ninguém entendeu, inclusive eu, porque Warren se negou a apertar a mão de Sanders.  Assim como Trump não aceitou apertar a mão de Angela Merkel na primeira visita que a chanceler fez ao novo presidente, Elizabeth Warren simplesmente encolheu a mão e afastou o braço deixando Bernie Sanders boquiaberto e com a mão estendida. 

Eu não creio que o mal entendido em torno da afirmação de Bernie, negada peremptoriamente pelo candidato, que mulher não poderia ser a presidente do país seria razão para tanto. 

… 

Bernie Sanders, senador por Vermont, apresentou-se como o candidato social-democrata que acredita que a saúde é um direito humano.  Não focou demais em Donad Trump como os demais candidatos.  Eu creio que o eleitor já o conhece bem o suficiente para não esperar nada de novo em seu embate com o atual morador da Casa Branca.

Bernie Sanders não falou apenas em teses.  Ele foi direto às metas.  Comprometeu-se a elevar o salário mínimo a US$ 15 a hora.  E não parou aí.  Prometeu educação gratuita, na escola e na universidade.   E, também, assegurou pauta ambientalista ao afirmar que destinará US$ 20 bilhões à conta de um novo acordo verde. 

Paro por aqui.  O temporal chegou ao beco e mudou o clima na capital.  Os estragos foram enormes na noite passada segundo eu estou acompanhando nos noticiários locais.

Bom dia leitor do blog! 

FOTO ABAIXO: Casa de Cultura Mario Quintana, Centro Histórico de Porto Alegre, janeiro de 2020 

 

CASA BRANCA, as últimas dos EUA, post 25, 16.01.2020, o debate dos candidatos democratas em Des Moines, Iowa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »