Porto Alegre, 04 de setembro de 2020

Horário oficial do beco da Rua João Manoel, 12:10, 17 graus C, 70% de umidade

Aposentado na UFRGS em 1997 eu lecionei durante 52 anos (1967-2019) e agora estou em casa.    Nessa seção de MICRO CURSOS eu estou postando informações diárias que eu utilizaria se eu ainda fosse professor de Cenários Econômicos.

01.12.02 ÍNDIA, o momento na economia que concentra a maior preocupação mundial com o coronavírus

01 Economia Internacional, 12 Índia, 02 número de ordem do post) 

Nessas cinco décadas de taxações eu sempre acompanhei a economia da Índia.  Nesses 14 anos do blog eu muito escrevi sobre a Índia.  Depois do Covid eu optei por redigir no formato de micro cursos e daí a classificação dos posts teve um novo marco zero.

No dia 27 de junho eu redigi o primeiro texto sobre a Índia nesse novo formato.  Na ocasião eu optei por escrever sobre o conflito entre a Índia e a China na região de fronteira.  Era um embate entre militares que contabilizou vítimas. 

Hoje, eu volto a elaborar um texto sobre aquele país porque há uma eclosão da crise sanitária na região.  A economia convive com uma queda do Produto da ordem de -4,5% no corrente ano e deve registrar um incremento de 6.0% no PIB de 2021, de acordo com o Panorama Econômico Mundial do FMI.  A estabilidade se mantém com o IPC em 3,3% (2020) e 3,6% (2021).

Na verdade desde que eu acessei o site da Johns Hopkins University, há uns cinco meses, eu procurei pelas estatísticas da Índia.  Eu fiquei surpreso porque havia um número inexpressivo de casos de coronavírus no país.  Eu lembro que eu pensei que tudo era apenas uma questão de tempo para ocorrer.

Agora, os números são alarmantes.  O mundo tem 26,3 milhões de pessoas infectadas, com os Estados Unidos (6.1 milhões), o Brasil (4,0 milhões) e a Índia (3,9 milhões) ocupando os três primeiros lugares no ranking mundial. 

Eu acredito que nas próximas horas a Índia ultrapassa o Brasil em infectados e deve buscar os Estados Unidos nas estatísticas pela liderança global na crise sanitária.   Em número de óbitos, a ordem é a mesma: Estados Unidos (187 mil), Brasil (124 mil) e Índia (68 mil). 

É lamentável que assim seja, mas o vírus não obedece fronteiras.   Isso posto, eu fui atras de maiores informações no país em análise.  Acessei os jornais da China para verificar como estava a repercussão local sobre o que estava acontecendo no âmbito da pandemia. 

O que eu encontrei?  Eu li que a vacina pode tardar.   Quem sabe, para meados do próximo ano.  Li, também, que a distribuição da vacina implicará grande desafio para as autoridades da Índia.  Há muita informação com origem na Organização Mundial da Saúde.  Há matérias sobre o desenvolvimento de anticorpos.  Há estatísticas em profusão, números sobre recuperação e muitos gráficos afins.

Eu encontrei muitas informações sobre o covid 19.   O primeiro ministro Narendra Modi destacou o lado humano da polícia na crise do coronavírus.  Em mensagem à Academia Nacional de Polícia, com a presença de 131 trabalhadores locais, Modi analisou os desafios do setor.   Disse que havia muito estresse por causa da crise sanitária.  

Ele sugeriu aos profissionais presentes ao evento virtual que aproveitassem o momento da tensão para a prática do yoga e do pranayama.    Ele debateu com os participantes o problema da segurança da família do policial.   Ele enalteceu a excelente imgem alcançada pela polícia durante a pandemia. 

Sugeriu, também,  medidas adequadas à realidade do país ou das regiões.  No caso da Caxemira ele propôs que a indústria produzisse o xales que é típico da região dentro de um design moderno. 

No estado de Assam, por exemplo, que fica localizado no leste do país e que conta com uma população superior a 30 milhões de habitantes, o que está em discussão nessa sexta-feira é o bloqueio do fim de semana e o toque de recolher noturno.

Na leitura do texto eu percebi que as autoridades de Assam estão flexibilizando o protocolo local.   O bloqueio do fim de semana foi suspenso.  O toque de recolher passa ter novas diretrizes de desbloqueio.    Essas medidas são válidas até o dia 30 de setembro para Dispur, a capital do estado, e  Guwahati, o centro mais importante, e tantas outras cidades contam com população acima de um milhão de habitantes.  As máscaras permanece como exigência pessoal e há multas para os que não as utilizarem.  . 

Há também medidas relacionadas à educação.   Metade dos professores e alunos passam a poder frequentar as instituições que utilizam ensino online e tele-aconselhamento.   Os alunos a partir de certa idade podem visitar as escolas, com autorização dos pais, para contato e orientação dos professores. 

Essa flexibilização não permite que haja a volta às aulas presenciais até o fim do corrente mês.   A exceção corre por conta de tarefas relacionadas às pesquisas, aos trabalhos de laboratórios e a tarefas inevitáveis, desde que seguido os protocolos fixados pelas autoridades.  

Os transportes começam a funcionar no dia 7 próximo vindouro, observadas as exigências decorrentes das distâncias exigidas.   Não há exigências para viagens destro do Estado de Assam nem no transporte interestadual. 

Há limitações para o funcionamento de cinemas, entretenimento, estádios esportivos, parques de diversão e piscinas terão o retorno das atividades no dia 21, mas com um protocolo com muitas exigências. 

Há matérias, inclusive, que tratam do mau emprego de atividade públicas durante a crise.  Eu li que houve punições a indivíduos que falsificaram relatórios do covid 19 para obtenção de benefícios.

… 

É isso aí.  Boa tarde, leitor do blog!

MICRO CURSOS, Internacional, post 01.12.02, 04.09.2020, se eu ainda estivesse em sala de aula

Deixe uma resposta