Porto Alegre, 09 de outubro de 2020, 06:10, 18graus C, 71% de umidadefazer blog

Professor aposentado (1997) da UFRGS, nessa seção de MICRO CURSOS eu estou postando informações diárias que eu utilizaria se eu ainda estivesse ministrando aulas de Cenários Econômicos.fazer blog

01.Internacional,01 ECONOMIA GLOBAL,13 número de ordem do post/ FMI: o confinamento e o impacto na economia  

Semestralmente o FMI publica o Panorama Econômico Global em que ele apresenta uma análise do comportamento da economia internacional recente.    A divulgação é progressiva.  Ontem foi divulgado o capítulo 3. Outras instituições como a OCDE, a OMC e o Banco Mundial, entre outras, também divulgam documentos semelhantes. 

Hoje, pela manhã, o FMI publicou o capitulo 2 do Worod Economic Outlook (WEO) , que é o nome do documento em inglês.   O título do capitulo é O grande confinamento, dissecando o impacto econômico.    Do que ele trata?

Esse capítulo 2 trata das consequências dos confinamentos e dos distanciamentos sociais voluntários decorrentes da crise sanitária sobre a redução da atividade econômica global durante a pandemia.   Nesse post eu vou procurar apresentar uma súmula do que assimilei no texto divulgado ontem pelo Fundo. 

Foram utilizados indicadores econômicos nacionais e de aproximações de outros indicadores ainda não disponíveis.  Isso porque o efeito negativo dos bloqueios foi muito forte em níveis dos países constantes do WEO. 

De acordo com a equipe do FMI, os bloqueios tolheram as atividades econômicas, mas se não houvesse o confinamento os casos de infecções explodiriam e trairiam impactos econômicos ainda maiores.   O ainda maiores ficou por minha conta porque no documento do Fundo está escrito impactos terríveis. 

Esse distanciamento acontece mais em economias avançadas porque as pessoas tem condições de permanecer em casa.  Ela dispõe de condições relacionadas ao tele-trabalho, à poupança e à previdência social.

O FMI alerta sobre a possibilidade de um levantamento prematuro do confinamento quando os casos de infectados ainda estiverem elevados.   E, se houver uma expectativa de que a recuperação não for tão intensa, o fim do confinamento terá um efeito menor sobre a mobilidade social.  Afinal, há o medo do contágio.

Então se houver risco de saúde, a atividade econômica ficará aquém da que seria adequada.  E as autoridades governamentais devem reduzir o apoio ao estimulo e manter os recursos em segurança social.   Paralelamente, a atividade econômica que for estimulada deve ser aquela que preserve o distanciamento social. 

Dentre os trabalhos à distância, o texto cita, em particular, o trabalho de casa para que haja o distanciamento social e a utilização de novas tecnologias para que limite a intensidade dos contatos setoriais.  Tudo porque há novas evidências de efeitos desiguais de bloqueios que trazem consequências profundas aos mais vulneráveis.   

O fechamento de escolas implica queda na mobilidade das mulheres.   Segundo o FMI, o cuidado infantil estando concentrado na mulher, deixa-a em grande desvantagem no que diz respeito à oportunidade de emprego.  O confinamento tolhe, também, o emprego dos jovens que tem renda menor e muitas vezes mantém atividades temporárias que serão rescindidas.    

A robustez dos benefícios aos desempregados em categorias mais vulneráveis e a preservação dos pagamentos aos pais são imprescindíveis para garantir que a crise não contribua para o aumento da desigualdade de gêneros e de gerações. 

Eu paro por aqui a análise do impacto do confinamento sobre a economia.  É importante considerar que semestralmente quando é publicado o Panorama Econômico Mundial o FMI divulga em primeiro lugar os números do desempenho global.  Ele informa como se apresentaram as taxas de crescimento econômico em âmbito global, na divisão de economias avançadas e emergentes, na divisão por blocos e, finalmente, por países.

Esses indicadores vem na frente de tudo.  Não foi o que aconteceu dessa vez.  O Fundo divulgou o capitulo 2 que trata do impacto da pandemia sobre a economia de forma descritiva e o capítulo 3 que versa sobre o impacto dos investimentos em meio ambiente e o comportamento dos preços do carbono sobre as emissões. 

Eu acredito que o mérito de divulgar os capítulos 2 e 3 é sobre a expectativa que os novos conhecimentos possam produzir sobre aqueles que elaboram políticas públicas e políticas setoriais.    De qualquer forma eu confesso que estou com muitas expectativa sobre os números efetivos da crise global.  Certamente que eles serão divulgados nos próximos dias.

Bom dia leitor do blog!

Micro cursos, Internacional, post 01.01.13, 09.10.2020, se eu ainda estivesse em sala de aula

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »