Docente aposentado (1997) da UFRGS, 76 anos, professor de Cenários Econômicos.

Porto Alegre, 22.10.2020, 18:10, 27 graus C, 58 % de umidade

Post 01.09.30

01.Internacional,09 Estados Unidos, 30 número de ordem do post

 

Hoje tem debate entre Donald Trump e Joe Biden em Nashville, no Tennessee, em mais uma etapa na corrida eleitoral à Casa Branca.   Já foram contabilizados 42 milhões de votos para o pleito do dia 03 de novembro.   Um número muito superior ao esperado algumas semanas atrás.

O evento terá como âncora a experiente jornalista Kristen Welker, 44 anos, uma profissional com bacharelado em História em Harvard.  Ela trabalhou na ABC e migrou para a NBC em 2005 . Foi correspondente junto à Casa Branca a partir de 2011.   Desde janeiro do corrente ano ela é âncora do Weekend Today.  

Donald Trump está focado em alguns estados – Arizona, Carolina do Norte, Florida, e Pensilvania – onde a corrida está indefinida e pode lhe dar os votos decisivos para uma eventual reeleição.   Paralelamente onde ele foi vencedor, como é o caso da Georgia, ele precisa permanecer muito ligado às pesquisas eleitorais por estados. 

É muito diferente uma eleição popular – Hillary obteve 2,8 milhões de votos a mais do que Donald Trump em 2016 – em sentido amplo de um pleito em colégio eleitoral, como é o caso dos Estados Unidos.

O presidente sente-se incomodado porque a pauta do debate dá pouca ênfase à agenda Externa.  Biden, em Delaware, em isolamento total para o evento, deve bater de frente contra a estratégia do governo no combate à pandemia. 

Cada um procura capitalizar apoio da sua forma: o republicano aposta na imagem nacionalista e nos atritos que criou com os antigos parceiros via barreiras alfandegárias, o democrata vai priorizar a crise sanitária.  Desde a campanha de 2016 Trump utilizou o discurso populista e apostou no unilateralismo.  O seu opositor poderia reaproximar a tradição de parceria com o Velho Continente.  

A propósito de Biden, ontem Obama esteve presente em evento em Filadélfia de apoio ao seu ex-vice-presidente.   Obama bate Trump que bate em Nancy Pelosi, democrata, a speaker da Câmara dos Representantes.   Agora o presidente se diz a favor do pacote de estímulo à crise sanitária que estaria emperrado, na sua versão, por decisão da própria Pelosi.

Nancy Pelos, ao contrário, se contrapõe aos argumentos da Casa Branca.  Hoje, em Washington ela afirmou que o acordo está muito bem encaminhado e pode ser fechado em poucas horas.   A oposição sempre apoiou um novo pacote de estímulo; Trump, de última hora tornou-se alinhado à inciativa.

Trump bate de frente com as elites.   Foi assim que chegou ao Poder.   Inquilino da Casa Branca voltou-se contra os governos dos Estados.    E foi aí que assumiu o negacionismo.   O embate com a ciência prosperou,  O presidente ficou isolado em sua posição, mas se manteve alinhado junto aos eleitores que apostam tudo na polarização.

Trump deu azar na sua negação da gripezinha.  Além de ter sido contagiado pelo vírus e ter de passar um fim de semana no Centro Médico Walter Reed, os cientistas locais confirmaram a presença da primeira reinfecção em Nevada, em território norte-americano.    

Um ponto que permanece em dúvida é de como se desenvolverá o conflito entre EUA e China em um governo de Joe Biden?  Eu não creio que Biden abandonaria totalmente o embate, mas eu creio que as negociações levariam a um acordo bilateral.  Nas tratativas entre Washington e Beijing chegava-se a um acordo, mas Trump apresentava novas restrições. 

Nesses termos, eu acredito que Biden firmaria um acordo com Xi Jinping e o mundo daria as boas vindas aos resultados. Não sei se haveria um retorno ao multilateralismo, mas eu acredito que o comércio internacional poderia voltar a fluir novamente. 

Bem, o debate de 90 minutos começa às 22 horas  no horário de Brasília.  É a última cartada para Donald Trump; Biden não pode cometer erro imperdoável nessa noite.   

Embora os microfones possam ser travados em algumas condições eu creio que possa ser, ainda, um embate de pior qualidade que o anterior.   Nesse interim, as redes sociais estarão extremamente agitadas e numa intensidade jamais vista em território americano. 

Boa noite, leitor do blog!

HOJE, À NOITE, TEM DEBATE ENTRE DONALD TRUMP E JOE BIDEN

Deixe uma resposta