Docente aposentado (1997) da UFRGS, 76 anos, professor de Cenários Econômicos.

Porto Alegre, 30.10.2020, 18:10, 16 graus C, 45% de umidade 

Post 01.09.32

01. Internacional, 09 Estados Unidos, 32 número de ordem do post

O eleitorado norte-mericano está dividido da seguinte forma: 67% são brancos, 13% são hispanos, 12% são afrodescendentes e 5% são asiáticos.   Então, nesse contexto, a maior das minorias nos Estados Unidos é a hispânica.

Houve uma época em que a presença latina era muito pequena.   Com o passar dos anos, a representatividade alcançou o patamar de 5% dos eleitores, depois subiu até 12,% e hoje, no patamar de 13% já abrange um eleitorado de 32 milhões de pessoas. 

Joe Biden deve estar com as barbas de molho com relação ao votos dos latinos no pleito da terça-feira.  Ele não tem o apoio dos homens nos mesmos níveis alcançados por Hillary no pleito anterior.  É o que eu leio nos jornais norte-americanos.  

Em estados importantes na decisão das eleições, como são os casos do Arizona, Florida, cenário de vitórias republicanas, Filadélfia, Nevada e Texas, há uma grande expectativa com relação aos votos dos latino-americanos.    Trump acusa Biden de socialista radical; o candidato democrata, nega que seja socialista. 

No momento em que escrevo esse post, eu tomo conhecimento que tanto o presidente Donald Trump como a candidata democrata à vice presidência Kamara Harris estiveram no Arizona.   No pleito de 2016, Trump obteve 49,0%  dos votos do colegiado local contra 45,5% destinados a Hillary Clinton.  Outros candidatos obtiveram os votos que complementam o total para aquele Estado.   Destaque para o condado de Maricopa na renhida disputa entre os candidatos. 

O quadro político na Flórida, por exemplo, já está definido para os hispânicos.  As pesquisas mostram que apenas 1,0% dos eleitores permanece indeciso às vésperas das eleições.  As pesquisas mostram, também, que 29% votarão em Biden e 27% em Trump. 

Quinta-feira, Trump e Biden estiveram no corpo a corpo,  na Flórida. Trump diz que Biden tem acordo com os cubanos; Biden procura obter apoio porto-riquenho prega uma política inédita para Cuba.   Sexta-feira, um potente helicóptero era mostrado sobrevoando e fazendo campanha eleitoral na região de The Villages, na Flórida, 

Eu assisti na televisão uma entrevista com defensores ferrenhos dos dois candidatos.  Na oportunidade, o ancora do programa, um professor de  direito da Universidade local, indagou aos entrevistados se a democracia estava em perigo nos Estados Unidos?  As respostas, dependendo do lado que representavam, sinalizavam que os EUA iriam para o comunismo ou para o neofascismo.     

… 

Os norte-americanos começam a conviver com as estações frias.   Eu tenho citado Anthony Fauci, o epidemeologista famoso que assessora a Casa Branca e que vive às turras com Donald Trump e ele alertou que covid19 seria um problema no inverno e que a economia normalizaria em meados do próximo ano. 

Os números da retomada americana foram divulgadas no dia de ontem.   O PIB cresceu 33,1% no terceiro trimestre, um desempenho que seria bem-vindo se o covid 19 não contabilizasse nove milhões de infectados e duzentos e trinta mil óbitos.   

E, pior, a tendência é do avanço da pandemia em ritmo crescente.  Se o leitor acessar o site da Johns Hopkins University ele pode constatar in loco que o gráfico das infecções está definindo a presença de uma terceira onda dos infectados nos EUA.  E esse cenário não é nada promissor para a recuperação econômica nos níveis esperados em prazo factível.   

Em Michigan, nas eleições de 2016, Trump venceu Hillary com 47,6,% das preferência contra 47,4% destinadas ao presidente.    Eu vejo no site da CNN que Barack Obama virá encontrar Joe Biden nesse sábado para fazer campanha no Estado.

A CNN apresentou algumas manchetes de jornais e resultados de pesquisas sobre temas específicos para Michigan e Wisconsin.   No que diz respeito à gestão da crise sanitária, em Michigan Donald Trump recebeu aprovação de 42% dos pesquisados contra 55% que reprovaram o seu procedimento.  Em Wisconsin, a situação foi ainda pior para o Presidente, pois ele obteve 39% de aprovação contra 59% de rejeição.

Em suma, no conjunto dos estados decisivos, Trump venceu em Arizona, Carolina do Norte, Flórida, Georgia, Iowa, Ohio, Pensilvânia,  Michigan, Texas, Wisconsin, e Hillary superou o adversário em Minnesota e Nevada.  Como o leitor pode perceber são muitos estados em que os dois candidatos vão concentrar esforços nessas últimas horas que antecipam o pleito.

Bem é isso aí.  Os dois candidatos buscam desesperadamente obter os 270 votos no colegiado de 538 votantes.  O fim de semana recém vai começar, mas os candidatos e os seus cabos eleitorais terão momentos intensos de trabalho e de deslocamento pelo país.  Vou estar atento a tudo e a todos.  Qualquer tema que me chame a atenção eu informo o leitor do blog.

Boa noite!

EUA, A QUATRO DIAS DAS ELEIÇÕES MAIS IMPORTANTES PARA O FUTURO DA ECONOMIA NORTE-AMERICANA

Deixe uma resposta