Docente aposentado (1997) da UFRGS, 76 anos, professor de Cenários Econômicos.

Porto Alegre, 14.11.2020, 18:10, 28 graus C, 60 % de umidade 

Post 02.01.22

02 Brasil, 01 Conjuntura econômica, 22 número de ordem do post

Hoje é sábado.  Amanhã há eleições municipais. Eu prossigo isolado desde fevereiro.   O meu contato com a cidade é praticamente nulo.   Fui à casa da filha número 03 em quatro oportunidades, respeitando o uso de máscara e com direito a refeição na sacada do apartamento dela em Campo Bom.

Andei e permaneci no carro, em Porto Alegre, não mais dos que oito ou dez vezes.   Vi uma cidade vazia.  Na televisão eu percebo que o movimento voltou ao centro da cidade.   Aos 76, eu reconheço que a minha capacidade de avaliar como a cidade se encontra está um tanto limitada.

Contudo, é nesse contexto que eu estou pronto para o pleito do domingo.   Os candidatos, em sua grande maioria, são de uma geração abaixo da minha.   Do jeito que está, eu vejo quem concorre no jornal ou nas mensagens telegráficas na televisão.  

Descontado o tamanho das promessa, a cena se repete de uma eleição para a seguinte.   Eu creio que a escolha do candidato à prefeitura não é uma tarefa difícil, mas a opção pelo vereador terá um nível maior de dificuldade por parte do eleitor. 

Na prática, quem quer que vença o desafio eleitoral encontrará dificuldades imensas para concretizar promessas de campanha.  Simplesmente, não há dinheiro em caixa.  Isso vale para os prefeitos e para os vereadores.  Mas esse é o Brasil que está à frente do eleitor. 

Da mesma forma que outros países que estiveram no fundo do poço no segundo trimestre, o número para o terceiro trimestre foi de recuperação.   O Índice de Atividade Econômica do BC, a prévia do desempenho do PIB. avançou em 9,47% no terceiro trimestre na comparação com o trimestre imediatamente anterior.   

Não fosse o tamanho da queda do PIB na pandemia, era de se comemorar uma saída de recessão técnica .   Todavia, a crise é de seis anos consecutivos.  O país não consegue decolar.  Está sempre taxiando ou na oficina para conserto.   

Daí que na ausência de um programa de crescimento que retire o país desse ambiente totalmente adverso em que parece acomodado, não é possível aceitar os discursos surrados de que o país voltará a crescer no futuro.  É hora de refletir sobre esse post, ainda mais porque há eleições amanhã..

Bem, mas hoje é sábado e tem a dupla Grenal em campo.  É hora de dar uma folga no blog e vivenciar as emoções de um colorado que vai enfrentar a equipe aspirante do Santos e de um tricolor que vai bater de frente com a equipe do Guto Ferreira.

Acho que a até o final da noite, haverá muito o que comemorar.  O Inter não deve continuar em queda livre e o Grêmio atrasou o passo em demasia e desgarrou do G6.    Tomara que tudo corra da melhor forma possível para a dupla Grenal.  

Boa noite leitor do blog!  Na foto abaixo, a minha neta Laura, a número 03 de um total de 05, em imagem da Arena em fase anterior à pandemia. 

O BRASIL ÀS VÉSPERAS DAS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Deixe uma resposta