Docente aposentado (1997) da UFRGS, 76 anos, professor de Cenários Econômicos.

Porto Alegre, 15.11.2020, 18:10, 28 graus C, 34 % de umidade 

Post 01.09.39

01 Internacional, 09 Estados Unidos, 39 número de ordem do post

Hoje, pela manhã, Donald Trump reconheceu a vitória de Biden.   Do seu jeito, mas reconheceu.  Quem fez a tabulação dos dados foi gente da esquerda, argumentou o presidente, mas reconheceu.  Ele praticava uma jogada de golfe em um imenso campo, botava para fora todas as suas razões de ordem conspiratória, mas, ao final, reconheceu a vitória de seu opositor no pleito do dia 03.

No momento em que redijo o post, Joe Biden conta com 307 votos no colégio eleitoral contra 232 de Donald Trump.  Os democratas venceram na Câmara dos Representante por 219 a 204 assentos, mas os republicanos saíram vitoriosos no Senado pelo placar de 50 a 48 assentos.    Biden terá dificuldades para por em prática o seu discurso à medida que o Senado ficou sob a maioria dos seus opositores.

A pandemia prossegue gerando novos casos de infectados e de óbitos nos Estados Unidos.  O pico da primeira onda do covid19 aconteceu em abril do corrente ano.  Em julho foi a vez de acontecer o pico da segunda onda do virus. 

No momento, mês de novembro, o número de casos é duas vezes superior aquele de julho e ainda não há possibilidade de prever quando acontecerá o pico da terceira onda.   Em meio a essa busca por um teto na terceira onda, eu acredito que Biden vai começar o seu governo com foco total no covid19.

Da pandemia sigo em direção à economia.   A economia mundial vive uma crise sem precedentes, mas a atenção dos analistas permanece focado na recuperação da economia norte-americana.   

Eu lembro que desde que a pandemia começou se falou em recuperação em forma de V, de W e um formato semelhante a da marca da Nike.   Há algumas semanas eu redigi um post sobre a possibilidade de uma recuperação em K.

Na recuperação em K a economia vai ao fundo do poço e na metade do caminho da saída, uma parte da atividade econômica se recupera e a outra retorna para a crise.   A desigualdade social permitiria que alguns, os mais ricos, se recuperassem e outros, os mais pobres, não.

Do lado do presidente eleito, Joe Biden partiu para a criação de sua equipe de transição com base nos nomes daqueles que estavam presentes na administração de Barack Obama.   Há cargos chaves que precisam ser preenchidos e a disputa entre os democratas já é intensa.

Jerome Powell entra no meu post à medida que ele alertou que a economia anterior à pandemia não existe mais.   Ele é de opinião que a convivência com a covid19 levou os agentes econômicos a acelerar a utilização do trabalho remoto.  Em breve vou redigir um texto sobre as opiniões do titular do FED na configuração do novo cenário econômico norte-americano.

Boa noite, leitor do blog!

FOTOS ABAIXO:  Polarização à gaúcha

A polarização esteve sempre presente no contexto político do Rio Grande do Sul.  As duas imagens mostram em dois momentos a realidade desses anos 10.   Eu preciso me movimentar como um profissional para chegar ao centro das manifestações.  Já vão mais de 50 anos fotografando.  Tudo começou como um hobby, mas se tornou uma atividade sistemática com o passar do tempo.   A minha videoteca tem mais de 60 mil horas de vídeos.  Paralelamente, a minha atividade relacionada à fotografia precisa de um lugar definitivo para armazenar tanta imagem.   Fazer o quê?

 

A CONJUNTURA DOS ESTADOS UNIDOS NUM DOMINGO DE MEADOS DE NOVEMBRO DE 2020

Deixe uma resposta