Docente aposentado, 76 anos, da UFRGS (1967-1997), disciplina Cenários Econômicos, e economista da FEE durante 40 anos (1973-2012)  

Porto Alegre, 22.01.2021, 12:10, 30 graus C, 60 % de umidade

Post 01.11.11

01 Internacional, 11 China 11 número de ordem do post.

Hoje eu realizei mais uma recorrida sobre os jornais da China a afim de buscar informações pertinentes ao novo cenário que irá se configurar com a chegada de Joe Biden à Casa Branca.

Normalmente eu acesso à mídia chinesa com um objetivo, mas muitas vezes não há nada relacionada à minha expectativa e, então, eu opto pela segunda melhor alternativa,   Algo que eu nem tinha imaginado analisar, mas ao fim e ao cabo, me pareceu pertinente trazer o fato de lá para o meu blog.

Antes, uma observação sobre a moeda chinesa.  O nome oficial da moeda chinesa é Renminbi, moeda do povo, e a unidade de conta é Yuane, circular.   Um yuane é dividido em 10 jiao.  Um jiao é subdividido em 10 fen.  Vale lembrar que hoje Hoje, a cotação de um yuane, CNY 1,00 = R$ 0,83. 

Hoje, eu cheguei ao site do China Business News e selecionei uma matéria relacionada ao fato do People’s Bank of China (PBOC), o  Banco Popular da China,  ter emitido uma operação de 500 bilhões de yuanes (US$ 77,301,536,898.260), em MLF.

A taxa de juros da operação, que vem de um longo período de dez meses de estabilização, é de 2,95% e o prazo é de um ano.   A sigla MLF é utilizada para identificar Medium-term Lending Facility (MLF), ou seja, Linhas de Crédito de Médio prazo.

A estabilização das taxas de juros nos últimos dez meses deve estar refletindo a retomada da economia que já vai para o sétimo mês consecutivo. 

Lembrando, sempre, que a China foi a única das grandes economias que cresceu 1,0% ao ano quando todas as demais entraram em forte contração decorrente da pandemia.  

O foco das autoridades monetárias chinesas, que atende à expectativa do mercado, é prover liquidez à economia.   

Ocorre que há duas operações MLF, com vencimentos de 300 bilhões de yuanes e de 240,5 bilhões de yuanes, com vencimentos no corrente mês.  Então, de fato o que está acontecendo é que o PBOC está rolando empréstimos vencidos e vincendos, preservando inalterados os custos das operações pelo décimo mês consecutivo.

Para encerrar, face a tudo o que foi escrito, as taxas básicas de juros praticadas na China não devem ser alteradas no curtíssimo prazo.   

Em suma, na conjuntura atual as maiores economias do mundo parecem estar taxiando na pista e prontas para o cheque de cabeceira.   Paralelamente, a China que decolou mais cedo deve ter chegado à altitude adequada e já se encontra em pleno voo de cruzeiro. 

É o que as notícias de lá permitem ao analista concluir.   Confirmada essa hipótese, qual será a estratégia de Joe Biden para conviver com o governo de Xi Jinping?

Boa tarde, leitor do blog!

FOTO ABAIXO: SANTUÁRIO MEIJI

Na foto abaixo, diversos colegas do Curso de Planejamento, realizado no Japão, estão na entrada do Santuário Meiji, localizado em Shibuya, em Tóquio.  

A denominação da região de Shibuya tem origem em um castelo da família Shibuya que residiu no local no século XI. 

No fim do século XIX, a região tornou-se um terminal ferroviário.  Quando eu lá estive em meados dos anos 70,  a região já era um imenso centro comercial e financeiro.  Depois, nos anos 90, a região abrigou a indústria de Tecnologia de Informação (TI). 

O Santuário Meiji em Shibuya é um templo Xintoísta, que reverencia as forças da natureza.   Não há escritura sagrada e nem a busca da salvação.

Na parte inferior da fotografia o leitor pode verificar que o local foi dedicado ao Imperador Meiji e à Imperatriz Shöken, sua esposa.   Após a morte do Imperador, em 1912, a Dieta do Japão autorizou a construção do templo.

Na fotografia, na parte de cima. é possível ver tudo o que se encontra na área de 700 mil metros quadrados em que foi construído todo o complexo.  A construção foi concluída em 1926, destruída durante a IIa Guerra Mundial e reconstruída em 1958. 

Dentro do complexo encontra-se o santuário central.   Ele está na fotografia abaixo que eu bati quando cheguei ao local.  Trata-se de um templo destinado à adoração do espírito deificado de Meiji.  A parte superior do templo é de cobre.

Quando eu cheguei às escadas que permitem o acesso ao santuário eu percebi que todos os visitante batiam palmas (Hakushu), em três vezes consecutivas.  O som implica alegria para invocar a divindade e fazer um pedido.  Bater palmas significa admirar, evocar, emocionar.   

Eu lembro que me explicaram no local que a primeira palma é para chamar a divindade, a segunda palma tem o significado de fazer um pedido a ela e a terceira palma visa agradecer a graça a ser recebida.

Esse momento é conhecido como kashiwade em japonês.  A função de bater palmas equivale a de bater sinos.  

Tenho muito a contar sobre os diversos templos que eu conheci e fotografei no Japão.  É um verdadeiro processo de aprendizagem.

Certa feita eu viajava em um trem comum com todo o grupo no interior do Japão. Em dado momento o coordenador do curso sentou ao meu lado e disse para eu ficar atento a algo que ele queria me mostrar. 

De repente surgiu uma cruz ao lado da linha férrea.   Ele apontou para a mesma e me disse que ela representava alguma crença ou alguma figura importante em religião praticada no Ocidente. Eu virei para ele e quase nem acreditei no que ele estava me dizendo. 

Eu falei, Jesus, Jesus Cristo e ele respondeu, instantaneamente, é esse!   Pediu licença, deu as costas e voltou para o seu assento.   Bem, leitor, esse é o mundo em que vivemos!

BANCO POPULAR DA CHINA INJETA LIQUIDEZ NA ECONOMIA

Deixe uma resposta