Porto Alegre, 12.06.2021, 18:10, 17 graus C, 28 % de umidade

Post 01.02.14

01 INTERNACIONAL 02 Commodities/Petróleo,  14, Número de ordem do post

Eu tenho escrito sobre commodities e petróleo de forma sistemática no blog.   No presente momento, com a transição da pandemia para à normalidade nas economias avançadas há um novo cenário econômico internacional em formação.

Eu confesso que há 50 anos trabalho em conjuntura internacional e nunca convivi com algo semelhante.  Lembro das muitas crises que monitorei e das muitos seminários que coordenei na UFRGS, mas uma guerra invisível nunca este no meu horizonte.  Nem em filme de ficção eu assisti algo semelhante.  

Paralelamente aos meus posts sobre commodities eu procuro acompanhar outros autores que também trabalhem do mesmo tema.    Dessa vez, o site do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou nessa semana uma matéria sobre o comportamento dos mercados dos metais.  

… 

O artigo assinado por Martin Stuemer e Nico Valckx foi publicado no dia 8 do corrente mês e levou o título dos Quatro Fatores por trás da alta dos metais.   O que diz o texto dos dois autores?

Eles partem da noção que os preços de algumas commodities industriais dispararam e eles indagam se a alta pode desacelerar.  As commodities agrícolas e energéticas – petróleo, carvão e gás natural – também avançaram, mas com incrementos menores.

Na comparação com a pré pandemia, o incremento dos preços dos metais foi da ordem de 72%.  Na comparação com o ano anterior, os aumentos individuais foram de 116% para o minério de ferro, 89% para o cobre e 41% para o níquel. 

Esses incrementos aconteceram, em primeiro lugar,  porque houve a recuperação com base nas manufaturas.  A Indústria caiu menos durante a pandemia e se recuperou antes do Setor de Serviços.   A China, com grande presença do mercado de commodities, contribuiu para esse novo cenário.   O mesmo não aconteceu com as commodities energéticas porque o consumo global de combustíveis rodoviários se encontra-se em 93% dos patamares pré pandemia.

Em segundo lugar, houve fatores do lado da oferta que elevaram o custo dos metais.   Dentre eles, a mineração foi interrompida com a pandemia e houve congestionamento de portos, de quarentenas e de problemas com tripulações de navegação.

Em terceiro lugar, formaram-se expectativas para uma transição energética rápida paralelamente à realização com despesas em infraestrutura.  Em quarto e último lugar, a capacidade de armazenamento porque os metais são facilmente mais armazenáveis do que o petróleo bruto ou alguns produtos agrícolas. 

O leitor pode acessar o texto que deu origem ao meu post no endereço    https://blogs.imf.org/2021/06/08/four-factors-behind-the-metal-price-rally/

Boa noite, leitor do blog!

 

FOTO ABAIXO:  O “MEU” BECO

Eu vim de Santa Maria para Porto Alegre em setembro de 1973.   E vim direto para o beco da Rua General João Manoel que fica localizado junto à Rua Duque de Caxias de Porto Alegre.

Para quem chegava do Interior o local era maravilhoso.  Eu estava a duas quadras do Palácio Piratini, cinco quadras da Fundação de Economia e Estatística (FEE) e sete quadras da Faculdade de Economia da UFRGS, meus locais de trabalho nesses últimos cinquenta anos.

Uma noite eu cheguei na janela do apartamento e tive uma visão inusitada.  Eu lembro que eu gritei para os familiares convidando-os que viessem até à janela para conferirem que os leitores do meu blog que estavam no beco.

Brincadeiras à parte, eu tenho visto semelhantes situações aqui no Centro Histórico com alguma frequência.   A rua está completamente vazia e de repente uma multidão surge do nada.

As pessoas ficam por um bom tempo no local, em plena ordem, conversam um bocado, riem muito e seguem adiante.   Foi assim que eu vi o grupo permanecer umas duas horas no meu beco.  Eu já tinha acompanhado o fato acontecer nas proximidades da rua Demétrio Ribeiro e cercanias. 

Na verdade eu não sei quem são essas pessoas, de onde vem e para onde seguem.  Contudo, eu creio que essas movimentações já fazem parte da noite portoalegrense.   Se, por acaso, um dia eu souber como se coordena um movimento desses eu redijo um novo post.  

 

A ALTA DOS PREÇOS DOS METAIS NO MERCADO INTERNACIONAL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *