Porto Alegre, 01.09.2021, 18:10 

Post 01.03.60

01 INTERNACIONAL, 03 Conjuntura europeia, 60 Número de ordem

CANTINHO DA PANDEMIA:   Há um alarme contra a Covid19 em Querala, um pequeno estado da costa sul da Índia de 34,6 milhões de habitantes e que é conhecido por suas praias e por ser o primeiro estado totalmente alfabetizado do país.

 O modelo de Querala – altos gastos em educação e bem-estar – é distinto dos demais estados.   Pois a Suprema Corte suspendeu os exames físicos dos alunos dos cursos pré universitários porque há uma tendência crescente de infecções no Estado que é responsável por mais de dois terços dos casos de Covid19 na Índia.

CONJUNTURA EUROPEIA: Embora não seja uma medida de curtíssimo prazo, já se percebem insinuações sobre a data em que as compras de bonos serão desaceleradas por parte das autoridades econômicas do bloco.

Nessa fase da intersecção da conjuntura – retomada começou, mas a pandemia não terminou – cabe ao Banco Central Europeu (BCE) tomar a decisão de em quanto será o corte de compra de bonos por parte da autoridade monetária para o último trimestre do corrente ano. 

No caso dos Estados Unidos, o programa de estímulos prevê que o governo deve adquirir US$ 120 bilhões mensais em títulos do banco central.   No caso da Europa, o programa de estímulos prevê que o BCE adquira dívidas no valor de 80 bilhões de euros mensais.

Tanto num caso como no outro, há expectativa que a desaceleração dos estímulos aconteça em algum momento à frente.  O tapering começaria em novembro nos Estados Unidos; na Europa o início do processo pode estar um pouco mais distante.

O tapering deve acontecer primeiro na América porque a inflação pressiona muito mais aí do que no Velho Continente.   

Christine Lagarde, presidente do BCE, destacou no mês passado que a inflação americana convive com exportações mais fortes que a Europa, preços de importações mais altos, além das diferenças de comportamentos das expectativas em ambos os lados do Atlântico.

…     

Quanto ao desemprego eu escrevi em posts recentes que  os Estados Unidos precisam absorver cinco milhões de desempregados para retornar da taxa vigente de 5,2% à taxa do pleno emprego de 3,6%, ou seja, da fase anterior à pandemia.

…   

Agora, no que diz respeito ao desemprego na Europa, o patamar é outro.  O Velho Continente precisa absorver 15,0 milhões de desempregados, dos quais 12 milhões estão localizados na Zona do Euro.   De maio para junho, a taxa de desemprego do bloco recuou de 7,3% para 7,1%.

… 

Então, esse é o momento da inflação e do desemprego na Europa.  Eu juntei os números para os Estados Unidos porque fica fácil do leitor perceber a diferença entre o que acontece entre as duas economias nesse inicio de setembro de 2021.

Boa noite, leitor do blog!

FOTO ABAIXO:  INVERNO CHEGANDO AO FIM

À medida que o inverno chega ao fim, os portoalegrenses começam a conviver com um cenário de transição para a primavera. 

Eu tenho percebido que há um movimento maior nos bares localizados na rua da Praia.  Ainda está muito distante daquele que estava presente no verão anterior à pandemia conforme mostra a foto que eu bati em 2019. 

A POSIÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU SOBRE O MOMENTO DA INFLAÇÃO E DO DESEMPREGO REGIONAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *