Porto Alegre, 25 de outubro de 2021

Horário oficial do beco da rua General João Manoel, 18:10, 29 graus C

Tomei conhecimento do falecimento do senhor Egídio Pedro Backes, no dia 22 de outubro, através da imprensa local.   Ele faleceu aos 97 anos de causas naturais.

Eu conhecei o meu amigo Backes pouco depois que cheguei em Porto Alegre, em 04 de setembro de 1973, para trabalhar na Superintendência de Planejamento Global  (SUPLAG) da Secretaria de Coordenação de Planejamento (SCP) do governo do Estado do Rio Grande do Sul.

A SUPLAG iria dar origem à Fundação de Economia e Estatística (FEE), de acordo com a Lei 6.624, de 13 de novembro de 1973, em pleno governo de Euclides Triches.   O estatuto da FEE foi aprovado no ano seguinte, pelo Decreto 22.971 de 1974.

À época eu trabalhava na Unidade de Contas Regionais da FEE e fui guindado a assessor da diretora técnica da Instituição, a professora Edi Fracasso.   Na oportunidade, eu mantive o primeiro contato com o Backes que representava o CDL, creio eu, no Conselho de Administração da FEE.

Backes era vinte anos mais velho do que eu e embora, extremamente experiente, se mostrava sempre interessado em debater todos os pontos que eu apresentava nas sessões em que juntos participávamos.

Assim como ele, que passou toda a vida dentro das atividades do varejo, eu, também, dediquei toda a minha existência a trabalhar na FEE.  Então o nosso trabalho em conjunto representou muitos anos de integração da Fundação com o Câmara de Dirigentes Lojistas.

Eu lembro que em pleno anos 70, eu fui a Santa Maria para participar do lançamento da publicação  Termômetro de Vendas, coordenado pela economista Maria Amélia Leão, resultado de um convênio entre as nossas duas instituições.  Backes prestigiou, em nome da CDL, o evento que juntos promovemos na Cidade Universitária.

Os anos passaram, o governo de José Ivo Sartori extinguiu a Fundação, em 05 de abril de 2018, encerrando as atividades do órgão que dava uma imensa contribuição ao planejamento e as estatísticas da economia gaúcha.    Nessa época, assim como eu, Backes já estava afastado das suas atividades na CDL.

Para quem participou da criação da Instituição desde os primeiros dias, e conviveu por quarenta anos com uma equipe técnica do mais alto nível que produziu documentos fundamentais para entender a história da economia estadual, os seus desafios e as suas perspectivas, sinto que administração estadual caiu num vazio que um dia virá a resgatar.   

Egídio Backes faleceu na última sexta-feira, deixando esposa, filhos, netos e bisnetos.  Ele foi o artífice de um grande parceria com o CDL, desde as primeiras horas da FEE.   

No momento do seu passamento, eu deixo aqui um último registro do grande trabalho que o CDL e a FEE realizaram em prol da economia gaúcha.

FALECIMENTO DE EGÍDIO PEDRO BACKES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *